NPD 105. COMO SER ANTICAPITALISTA SEM SER MARXISTA


Recebo o seguinte e-mail, enviado de Natal, RN:
Professor: não sendo marxista sob hipótese alguma e detestando as práticas capitalistas atuais, muito me interessaria ler sobre algo diferenciado dos dois sistemas. O senhor poderia me auxiliar, indicando um bom livro sobre o assunto?
Minha resposta, abaixo explicitada para os demais companheiros internautas:
Prezado Ary:
Seu posicionamento é igualmente ao meu. E essa bifurcação não significa nada em defitivo, pois existe outros modos de pensar o desenvolvimento do mundo. Outro dia li um livro que me deixou bastante esperançoso pelos dias dos amanhãs pós pandemia. Escrito por um notável sociólogo, eternizado o ano passado, em 23 de janeiro de 2019, o livro descreve como deveria ser a vida após o capitalismo. Tendo sido seu último livro, o notável sociólogo dedicou-se, nas suas últimas décadas de vida na busca de alternativas efetivas que superassem tanto o capitalismo troglodita como o socialismo estatal burocrático.
O livro recomendado com entusiasmado:
Como ser anti-capitalista no século XXI?, Erik Olin Wright (1947-2019), São Paulo, Boitempo, 2019, 195 p.
Sumário:
1. Por que ser anticapitalista: 2. Diagnóstico e crítica ao capitalismo; 3. Variedades de anticapitalismo; 4. Um destino para além do capitalismo: o socialismo como democracia econômica; 5. O anticapitalismo e o Estado; 6. Agentes da transformação; Posfácio de Michael Burawoy.
No posfácio, Burawoy esclarece sobre o livro: “Eis uma resposta para o enigma da obra de Erik Wright: o movimento de uma análise de classe sem utopias em direção às utopias sem análise de classe.”
Leitura de muita reflexão, releituras e rabiscações amplamente militantes.