NPD 100. O HOMÃO PARA OS TEMPOS DE HOJE


Como seria o Nazareno hoje, em plena pandemia, científico, social e politicamente?
Para quem estiver com a curiosidade em alta, o livro de um engenheiro, general do nosso exército e um dos pioneiros dos estudos ufológicos do Brasil, propõe divulgar uma nova visão de Cristo para uma humanidade hoje submetida a uma pandemia ainda sem controle vacinal. Uma leitura cativante, sem afetações, ajustada aos procedimentos atuais científicos e filosóficos, plenamente recheada de imagens originalíssimas que muito provocarão a intuição de todo antenado leitor.
O livro se intitula Cristo para a humanidade de hoje: científico, social e político, A. Moacyr Uchôa, 2ª. ed., Limeira SP, Editora do Conhecimento, 2019, 226 p.
Seu filho Paulo Roberto assim se expressou na apresentação do livro:
“Perco a conta de quantas vezes meu pai questionou a forma limitada da maioria dos cristãos, quando pensavam, oravam, mencionavam e reverenciavam o Senhor Jesus, o Cristo. Isso porque a imagem de Jesus crucificado sempre preponderou no cristianismo. Suas mensagens , Seus exemplos, remontam àquela época, em que viveu, ensinou e se sacrificou pelos Seus irmãos. Entretanto, meu pai pontificava que, parecia, de lá para cá, Seu trabalho era desconhecido. Este foi um dos motivos que o levou a escrever sobre o Cristo para a humanidade de hoje, de forma abrangente, profunda, que encerra ensinamentos coerentes, de muitas e diversas áreas, dentre as quais as religiões, a ciência, a filosofia, a teosofia, a espiritualidade e, porque não dizer, a intuição, já tão bem demonstrada em suas obras anteriores.”
E mais ele disse sobre o pai: “Sua educação e espírito científico sempre estiveram presentes nos estudo e pesquisas na área do transcendental, que desenvolveu desde tenra idade. Sempre teve orgulho de sua formação científica, porém nunca deixou de considerar as aberturas para o mundo espiritual, em consequência de seus próprios estudos, pesquisas e observações ao longo de décadas, acrescidos de suas experiências pessoais. Ele costumava dizer que era extremamente importante manter os pés no chão, mas, por outro lado, nada o impedia de levantar a cabeça e contemplar as estrelas que – segundo sua convicção – era absolutamente indispensável ao avanço da ciência.”
Certa feita, o general Uchôa, professor catedrático da hoje Academia Militar das Agulhas Negras e também Reitor da União Pioneira de Integração Social, escreveu:
“A onda de vida do Poder Criador trouxe à realidade os minerais, os vegetais, os protozoários, os seres primários, o homem primitivo, uma Santa Thereza D’Ávila, um Mestre Jesus. Essa onda de vida divina está continuando a crescer e, naturalmente, conduzirá o homem ao infinito que ele tem a realizar.”
Lendo atentamente o livro acima citado, seguramente saberemos erradicar o nosso egoísmo social, preconceituoso e pouco solidário contemporâneo, erradicação acentuadamente provocada por uma pandemia que será historicamente classificada como causa maior de uma reestruturação planetária.