NPD 099. RUMOS E DILEMAS PÓS COVID-19


Para quem ainda se encontra justificadamente atordoado com as malefícios causados mundialmente pelo Coronavirus, inclusive em nossas bandas pátrias, volto a recomendar duas leituras oportunamente balizadoras, uma mais voltada para nosso país e outra nitidamente endereçada para a atual comunidade planetária. Por etapas:
1. O MUNDO PÓS-PANDEMIA – REFLEXÕES SOBRE UMA NOVA ERA, vv.aa., Rio de Janeiro, Nova Fronteira, 2020, 416 p.
Com uma Introdução didaticamente esclarecedora de José Roberto de Castro Neves, Mestre em Direito pela Universidade de Cambridge, Inglaterra, diferentes especialistas nacionais tecem análises binoculizadoras sobre os amanhãs mundiais, enfocando preponderantemente o Brasil. Ressalto algumas contribuições mais significativas, sem qualquer demérito para com as demais: Gustavo Franco, Pedro Bial, Mary Del Priore, Fernando Gabeira, Joaquim Falcão e Fernando Henrique Cardoso.
Previsões bem fundamentadas, transitando da arte e do humor ao poder judiciário e à economia, diante de um momento histórico encruzilhadal para gregos e troianos, buscando beneficiar atuais e futuras gerações.
2. NOTAS SOBRE A PANDEMIA E BREVES LIÇÕES PARA O MUNDO PÓS-CORONAVIRUS, Yuval Noah Harari, São Paulo, Companhia das Letras, 2020, 97 p.
Numa coletânea inédita, o notável historiador israelense Harari, autor dos consagrados textos Sapiens e Homo Deus, analisa os rumos a serem tomados pela humanidade, a partir de uma encruzilhada provocada por uma das maiores pandemias de toda história do planeta.
Os argumentos desenvolvidos pelo autor são o ponto alto dos diversos textos – entrevistas e artigos -, escritos durante o pico da crise, março/abril 2020, a reivindicar uma ampla cooperação internacional a partir de uma “falta abissal de lideranças globais”, a favorecer a indesejável emersão de demagogos e ditadores, que poderão ser beneficiados pelas inovadoras tecnologias de vigilância.
Com os textos do historiador israelense analisados, rabiscados, refletidos e discutidos antenadamente por milhões, aguardam-se decisões planetárias consistentes, capazes de promover, para bem melhor, um mundo mais humano.
Alerta ainda o autor, em seus textos, para uma imperiosa iniciativa mundial: a de não se reagir à pandemia com ódios, ganâncias e ignorâncias, sempre se agindo com compaixão, generosidade e efetiva sabedoria estratégica solidária.
Louve-se a atitude de Noah Harari de abrir mão dos seus direitos autorais em favor da Fiocruz – Fundação Oswaldo Cruz -, do Brasil, colaborando na sua luta científica contra a COVID-19.