NPD 091. CIÊNCIA, EXISTÊNCIA E SOBREVIVÊNCIA


Inúmeras questões sobrepairam sobre a atual conjuntura mundial. E o Zelinho, amigo de infância e juventude do bairro Parnamirim, hoje morando em João Pessoa, docente da UFPB, área de Humanas, me envia pelo zapzap as três indagações que mais o estão afetando seu isolamento social:
1. Será que, nas próximas gerações pós pandemia, a ignorância cultural mundial persistirá em continuada evolução, desfavorecendo mentes e corações, enriquecendo os promotores de crenças notoriamente quiméricas?; 2. Como evoluirá o binômio ciência x espiritualidade?; 3. Qual será a configuração mundial nos finais do presente século?
Confesso que me sensibilizou bastante os questionamentos do Zelinho. E eu enviei pra ele o seguinte e-mail:
Zelinho amigo:
Feliz por vê-lo ainda antenadão, diferente de alguns dos nossos contemporâneos que já broxaram mentalmente, sem mais atentar para os sinais evolucionários que estão emergindo velizmente nos quatro cantos do planeta, apesar de uma distribuição de renda mundial desumana, inclusive em nosso Brasil, onde uma elite financeira teima em tapar o sol com a peneira, desatenta aos amanhãs tragicômicos se nada for efetivamente reestruturado.
Como sei seu prazer de ler constantemente assuntos relacionados com o trinômio ciência-existência-sobrevivência, que amplamente favorecem suas enxergâncias e binoculizações, recomendo-lhe alguns textos por mim lidos que ensejarão sua maior efetividade na sua militância comunitária em prol de um Brasil mais digno e honrado, com um Nordeste economicamente menos distanciado das ricas regiões do país. São elas:
Admirável mundo em que vivemos, Wilson Czerski, Capivari SP, Editora EME, 2017, 272 p.
Um militar da Aeronáutica, especialista em Meteorologia, graduado em Administação, presidente ainda da ADE-PR (Associação de Divulgadores do Espiritismo do Paraná.
O livro trata dos seguintes assuntos: evolução, saúde, sexualidade, educação e política, entre outros temas da atualidade. Uma leitura-alerta para a nossa e as futuras gerações que buscam amanhãs mais fraternos e libertários.
A nova civilização do terceiro milênio, Pietro Ubaldi, Campos dos Goytacazes RJ, Fraternidade Francisco Alves, 2007, 542 p.
O autor, nascido na Itália em 1886, fixando residência no Brasil em 1952, indo a desencarnar-se em 1997.
O livro vem ao encontro dos anseios do homem antenado moderno que se encontra interessado em apreender mais os problemas espirituais contemporâneos, fortalecendo mais sua consciência de filho da Criação.
Principais temas desenvolvidos: Erros e ascensões humanas, Lei da honestidade e do mérito, O problema do mal, Pobreza e riqueza, Pensamento social do Cristo, Nosso livre destino, Personalidade humana.
Ciência x Espiritualidade: dois pensadores, duas visões de mundo, Deepak Chopra / Leonard Mlodinow, Rio de Janeiro, Sextante, 2012, 335 p.
Ao amanhãs da humanidade enfocado sob prismas de dois consagrados pensadores contemporâneos, o primeiro especialista em filosofia oriental, a segundo professor de física e divulgador científico.
A linguagem do Universo, Guilherme Barros da Luz, Porto Alegre RS, BesouroBox, 2018, 472 p.
O autor é psicólogo, especializado em Ciência Corpo/Mente, que compartilha suas vivências e aprendências com pessoas que buscam maior para suas vidas.
Sumário: 1. A primeira encarnação; 2. A transição; 3. A segunda encarnação; 4. A nova energia; 5. A terceira encarnação; 6. Novas conexões; 7. Integração; 8. O ingrediente mais importantes.
No atual momento planetário contaminado pela COVID-19, juntemos todas as sadias mentes cristãs, antes que seja tarde demais. Para reconquistar os jovens, receber os descaminhados, compreendendo que o amanhã já chegado será muitíssimo diferenciado de um hoje que já se está indo embora em desabalada carreira.
A palavra final é do padre Yves Congar, um dos teólogos que mais fizeram para restabelecer o diálogo entre as igrejas e o mundo contemporâneo:
“Diz-se que a Igreja não interessa mais a ninguém, que a maioria dos homens deixou de esperar dela algo que tenha o peso do real. Isso não é exato. Uma decepção dá a medida de uma esperança, um despeito a medida de um amor. Se não se esperasse mais nada da Igreja, não se falaria tanto dela…”
Uma crise torna-se saudável quando não se contenta em ser apenas uma crítica aos outros, mas quando se torna, muito densamente, um julgamento de si mesma. E isso somente advirá, em nossa pátria, com mais capacitação para jovens e adultos, terra e saúde, combate enérgico aos preconceitos mais variados, proteção do meio ambiente e dos povos indígenas nossos irmãos, melhor distribuição de renda e mais participação nas comunidades dos severinos de maria, recordando, aqui, o poeta João Cabral de Melo Neto, arretadíssimo Leão do Norte. Que um dia foi acusado de ser comunista pelos reacionários socialmente insensíveis da sua época.