NPD 055. PARA UMA EXISTÊNCIA MAIS LUMINOSA


Tem muita gente de quarentena que está se irritando por qualquer mil-réis de atrapalho, perdendo a cabeça ou deixando a outra sem vez nem prazer bem compartilhado. São pessoas que nunca avaliaram suas caminhadas, preferindo o agora aos amanhãs que se aproximam, desprezando qualquer avaliação dos ontens percorridos.
Para quem deseja dar um basta na situação bosta criada pela pandemia e por uma alienação de anos, olhos voltados apenas para os ganhos financeiros e ambições descomedidas, uma boa leitura poderá erradicar ansiedades e frustrações, se devidamente rabiscada meditativamente, sem emocionalismos baratos nem chorumelas lenga-lengosas. Ei-la:
SOBRE A ARTE DE VIVER; LIÇÕES DA HISTÓRIA PARA UMA VIDA MELHOR
Roman Krznaric
Rio de Janeiro, Zahar, 2013, 376 p.
O autor é historiador da cultura, fundador da School of Life de Londres, também docente da Universidade de Cambridge e conselheiro da Oxfam e Nações Unidas.
Seu livro analisa temas diversos – amor, família, trabalho, dinheiro, tempo, sentidos, viagens, natureza, crença, criatividade e morte -, abrindo a cortina da história, revelando o que ela nos tem a dizer sobre como viver nos dias nebulosos de hoje, com horizontes ainda não descortinados.
Num Ocidente acidentado, de múltiplos sintomas degenerativos – economia lenta, dívidas astronômicas, governantes idiotizados e incultos, populações crescentemente incultas, tecnologias assimiladas por minorias e robotizadas pela anestesiada maioria, populações envelhecendo, corrupções desenfreadas, populismos hipócritas, assistencialismos eleitoreiros e comportamentos sociais amplamente desintegradores -, o livro proporciona indicações efetivas para o refreamento de degenerações irrefreáveis, babélicas por derradeiro.
O autor não recorre à sabedoria dos filósofos, tampouco às doutrinas religiosas e às lições extraídas da moderna psicologia. Ele prefere recorrer às lições históricas vivenciadas pelos nossos ancestrais, que podem minimizar nossas dificuldades caminheiras, erradicar nossas individualizações amorosas e ampliar uma solidariedade social capaz de reestruturar os quatro do mundo na direção de um contexto global mais digno e nada vexaminoso.
O livro é dividido em quatro partes – Relacionamentos enriquecedores, O sustento, A descoberta do mundo, e A quebra de convenções.
Uma leitura de amplia enxergâncias culturais, favorecendo binoculizações mais efetivas na direção de um planeta mais vivencialmente iluminado.