NPD 040. DEZ PILARES APOIADORES DE UM REGIME FASCISTA


Para quem ainda se encontra desatento diante de algumas sutis pilastras que emolduram uma incipiente era fascistoide em nosso país, enumero-as abaixo, a partir da leitura do livro Tudo o que você precisou desaprender para virar um idiota, Meteoro Brasil, São Paulo, Planeta do Brasil, 2019, diante de alguns comportamentos esdrúxulos de alguns mandatários, do Brasil, dos EEUU, da Europa e de outras partes do globo, todos preocupados única e exclusivamente consigo mesmos:
1. Uma nostalgia na viabilização de um “passado mítico”, ansiosa pela volta do regime militar de 1964;
2. Propaganda intensiva feita por doutrinadores contra doutrinações e de corruptos contra a corrupção.
3. Bravatas anti-intelectualistas, onde são hostilizadas universidades, incentivando precariamente a educação pátria, encarando a universidade como centro de balbúrdias e doutrinação marxista.
4. Esfacelamento da verdade e presença massiva de teoria conspiratórias no debate político.
5.Hierarquização da sociedade entre “nós”, os fascistas, e “eles”, o resto que não pensa.
6. Vitimização do grupo subordinado ao pretenso líder fascista, proclamando ser violenta qualquer iniciativa, por mínima que seja, de promover justiça social, como por exemplo o sistema de cotas para ingresso no ensino superior.
7. Criminalização de toda dissidência oposta às suas iniciativas fascistas
8. Acusação aos opositores, taxados de imorais.
9. Espalhamento de uma tensão sexual, classificando as lideranças fascistas como puras, sempre contraposta às imoralidades modernas.
10. Acusação de preguiça cívica aos que não se subordinam às suas iniciativas messiânicas.
Duas recomendações complementares para melhor compreensão dos fascismos sementeiros em nosso mundo, principalmente no Brasil século XXI: o livro O ódio como política, de Esther Solano Gallego, e o livro Como trabalhar para um idiota, de John Hoover, atualmente já em 11ª. edição, onde são classificados os seguintes mandantes idiotas: O chefe deus, o chefe maquiavélico, o chefe sádico, o chefe masoquista, o chefe paranoico, o chefe relutante, o chefe despreparado, o chefe camarada, o chefe permanentemente idiota, o chefe fingidamente bonzinho.
Uma atenção deve ser dada aos seguintes capítulos: 4 – Procriação de idiotas, 7 – Pensamento idiota: o grande disfarce; 11- Idiotice: algumas teorias.
Duas leituras que muito cidadanizam, desbestalham e desidiotizam, favorecendo a ampliação de uma enxergância binoculizadora por muitas eleições.