NPD 029. IA – INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL


Qualquer cidadão que se encontra no meio do furacão da COVID-19 está testemunhando a proliferação de inúmeras iniciativas eletrônicas: compras pelo CRCode, Drones, sistemas de pagamento via celular, exames laboratoriais quase instantâneos, informativos ultra rápidos, tudo se constituindo no desenvolvimento estupendo da denominada IA – Inteligência Artificial.
Muitos, entretanto, ainda não perceberam que a evolução da espécie humana é parte da infinita engenhosidade da Criação, tudo ainda muito distanciado da atual compreensibilidade humana.
Entretanto, como tudo não são flores e aplausos, lamentavelmente também há uma outra IA – INTERVENÇÃO AUTORITÁRIA, que poderá obstaculizar o desenvolvimento mundial através de iniciativas governamentais sectárias, de direita e esquerda, amplamente vinculadas a procedimentos individuais bostíferos, nulamente enxergantes, autofágicos por derradeiro.
Vale a pena reavivar um humanismo libertário convincente, amplamente crítico diante dos atuais sistemas pouco democráticos dos quatro cantos do mundo, muitos deles travestidos de populistas assistencialistas, quando nada mais são que portadores de um poder nada distributivo, radicalmente egolátrico, mítico, neróticos (de Nero), de debiloidais dimensões culturais, dotados de um sistema educacional decorébico, nada analítico, voltados a ontens explicitados pelos que buscam conservar domínios escravagistas, preconceituosos e oligarquias amplamente desumanas.
Saibamos diferenciar os IAs que emergirão após pandemia. Saibamos ampliar a solidariedade sobrevivencial do todo terrestre. Favorecendo uma reconfiguração mundial que amplie os níveis humanitários de todos os povos, disseminando uma profissionalidade solidamente cidadã, capaz de afugentar medos e sobressaltos socioeconomicamente trágicos, consolidando uma convivialidade fraterna entre povos, etnias, gêneros, crenças e nações.