facebook
Aumentar fonte  Diminuir fonte  Indicar esta página  Imprimir esta página
UMA EXISTÊNCIA ABENÇOADA
Há personalidades que cativam pela solidariedade humana oferecida aos mais necessitados. Tive a felicidade de conhecer algumas e de conviver com outras por longos anos. Na convivência, o meu orientador maior, depois do Carolino meu pai, foi Dom Hélder Câmara, um ser humano que irradiava um magnetismo pessoal gigantesco, próprio das lideranças contempladas por forças transcendentais, dessas que iluminam os já de espíritos aperfeiçoados por múltiplas vivências.
 
Entretanto, uma outra personalidade que ainda não conheço pessoalmente, embora dele seja admirador de carteirinha, sempre me deixou sensibilizado pelos serviços prestados à comunidade, pelas pregações feitas ao longo de uma vida dedicada a praticar a mensagem de Jesus de Nazaré através do Espiritismo: Divaldo Pereira Franco. De biografia escrita pela historiadora Ana Cláudia Landi - Divaldo Franco – a trajetória de um dos maiores médiuns de todos os tempos, São Paulo, Bella Editora, 2015, 302 p.-, um livro que recomendo a todos os cristãos, independentemente de segmento religioso.
 
Divaldo Pereira Franco, mais conhecido como Divaldo Franco ou simplesmente Divaldo (Feira de Santana, 5 de maio de 1927) é um professor, médium e orador espírita brasileiro mundialmente conhecido, recentemente tornado nonagenário. O mais importante espírita brasileiro em atividade, com mais de cinquenta anos dedicados a cuidar dos meninos de rua de Salvador, na Bahia, tendo fundado, em 15 de agosto de 1952, com Nilson de Souza Pereira, a casa de assistência Mansão do Caminho, responsável pela orientação e educação de mais de 33 mil crianças e adolescentes carentes.
 
Divaldo apresentou, desde jovem, diversas faculdades mediúnicas, tanto de efeitos físicos quanto de efeitos intelectuais. Destaca-se, dentre elas, no entanto, a psicografia. Com mensagens assinadas por diversos espíritos, dentre eles, Joanna de Ângelis, que durante muito tempo apresentava-se como "um Espírito Amigo", ocultando-se no anonimato, à espera do instante oportuno para se fazer conhecida. Ela revelou-se como sua orientadora espiritual, escrevendo inúmeras mensagens, num estilo agradável, repassado de profunda sabedoria e infinito amor, que conforta aos mais diversos leitores e necessitados de diretrizes espirituais.
 
Em 1964, Joanna de Ângelis selecionou várias das mensagens de sua autoria e enfeixou-as num livro, intitulado Messe de Amor. Foi o primeiro livro que o médium Divaldo Franco publicou. Logo em seguida, Rabindranath Tagore ditou Filigranas de Luz. E o que se  seguiu constitui-se num verdadeiro fenômeno editorial, pois, em seus anos de atividade como médium, Divaldo teve publicados mais de 300 títulos, totalizando mais de cinco milhões e quinhentos mil exemplares, muitos deles ocupando lugar de destaque na literatura, no pensamento e na religiosidade universal. Dessas obras, editou-se 80 versões para 15 idiomas (alemão, castelhano, esperanto, francês, italiano, polonês, tcheco, braile, entre outros). Os livros de Divaldo Franco englobam uma grande variedade de estudos literários, como prosas, romances, narrações e etc., abrangendo temas filosóficos, doutrinários, históricos, infantis, psicológicos e psiquiátricos.
 
Nas obras psicografadas por Divaldo, apresentam-se 211 alegados autores espirituais, além de Joanna de Ângelis. Entre eles, Manoel Philomeno de Miranda, Victor Hugo, Amélia Rodrigues, Ignotus, Vianna de Carvalho, Carlos Torres Pastorino, Bezerra de Menezes, Rabindranath Tagore, João Cléofas, Eros e Simbá.
 
A maioria das obras escritas por Divaldo Franco sob a inspiração de Joanna de Ângelis almeja incentivar o autodescobrimento e facilitar a aplicação no dia-a-dia dos ensinamentos morais de amor fraterno contidos nos Evangelhos e na Doutrina Espírita, estimulando o leitor a enfrentar as dificuldades cotidianas de modo mais prático e otimista.
 
Como orador, Divaldo iniciou-se em 1947, difundindo a Doutrina Espírita e hoje apresenta uma histórica e recordista trajetória no Brasil e no exterior, sempre atraindo multidões, com sua palavra inspirada e esclarecedora. Há vários anos, viaja em média 230 dias por ano, realizando palestras e também seminários no Brasil e no mundo. Suas palestras promovem o pacifismo, estabelecendo pontos de convergência entre a doutrina espírita e a ciência (principalmente a psicologia), sempre incentivando a busca constante pelo autoconhecimento, ancorada em conhecimentos sobre psicologia e doutrina kardecista.
 
Desde jovem, Divaldo teve vontade de cuidar de crianças. Educou mais de 800 "filhos", hoje emancipados, a maioria com família constituída e profissão - magistério, contabilidade, serviços administrativos e até medicina. Na década de 60 iniciou a construção de escolas-oficinas profissionalizantes e de atendimento médico. Hoje, a Mansão do Caminho é um admirável complexo educacional que atende milhares de crianças e jovens, na Rua Jaime Vieira Lima, 01 – Pau de Lima, um dos bairros periféricos mais carentes de Salvador,  com 83.000 m² e 43 edificações. A obra é basicamente mantida com a venda de livros mediúnicos e das fitas gravadas nas palestras.
 
Ainda recentemente, março de 2017, Divaldo lançou a 6ª. reimpressão , com 5.000 exemplares, do seu livro psicografado Transição Planetária, pelo Espírito Manoel Philomeno de Miranda, Salvador, LEAL, 264 p., com todos os direitos reservados única e exclusivamente para o Centro Espírita Caminho da Redenção, Bahia, de onde apresentamos, abaixo, a reflexão contida da introdução Transição Planetária, do Espírito Manoel Philomeno:
 
As criaturas que persistirem na acomodação perversa da indiferença pela dor do seu irmão, que assinalarem a existência pela criminalidade conhecida ou ignorada, que firmarem pacto de adesão à extorsão, ao suborno, aos diversos comportamentos delituosos do denominado colarinho branco, mantendo conduta egotista, tripudiando sobre as aflições do próximo, comprazendo-se na luxúria e na drogadição, na exploração indébita de outras vidas, por um largo período não disporão de meios de permanecer na Terra, sendo exiladas para mundos inferiores, onde irão ser úteis limando as arestas das imperfeições morais, a fim de retornarem, mais tarde, ao seio generoso da mãe-Terra que hoje não quiseram respeitar.”
 
No livro, Divaldo Franco nos aponta mecanismos e razões de ordem superior da transição planetária em favor das mudanças urgentes e necessárias direcionadas para um maior respeito à Natureza e às populações menos desenvolvidas do nosso planeta.
 
PS. Abraço fraternal no irmão kardecista Bruno Tavares, da Casa dos Humildes, de quem tenho recebido excelentes orientações nas sessões de estudo, todas as sextas-feiras à noite, naquela instituição.
(Publicado em 22.05.2017 no site do Jornal da Besta Fubana (www.luizberto.com) e em fernandogoncalves.pro.br.) 
 

Site criado com o sistema Easysite Acadêmico da eCliente.
ECLIENTE INFORMÁTICA