facebook
Aumentar fonte  Diminuir fonte  Indicar esta página  Imprimir esta página
UM MAGNÍFICO CONTADOR DE HISTÓRIAS
Na quarta-feira passada, depois de mais uma série de exames médicos, a Melba me fez companhia no lançamento do livro Pano Rápido, do Joca Souza Leão, uma admiração minha de longo percurso. Um evento primoroso, acontecido no Museu do Estado, onde reencontrei um montão de gente importante, leitores incondicionais do Joca desde as páginas da revista ALGOMAIS, onde ele pontificava com a narração de histórias que deixavam em todos uma arretada vontade de quero mais.

Segundo o próprio Joca, que não se agrada em chamar história de causo, são “histórias de escritores, poetas, artistas, jornalistas, políticos, populares e boêmios, principalmente pernambucanos, todas bem-humoradas”. Ouvidas por ele “em mesa de bar, debaixo de um pé de pau ou na varanda da casa de um amigo”. Que retratam um “saboroso painel do ethos pernambucano: gostos, costumes e valores de personagens anônimos e famosos, no testemunho do jornalista Homero Fonseca, autor de uma sedutora introdução”.

Joca nos brinda com uma muito rica micro-história cotidiana, destacada através de um projeto gráfico primeiromundo assinado por Ricardo Melo, “adotando com maestria o partido estético dos antigos almanaques: caricaturas (entre outras, de Miguel Arraes, Ascenso Ferreira, Chacrinha, João Cabral de Melo, Antônio Maria, Caio de Souza Leão e Adoniram Barbosa, cores chapadas em fundos, ilustrações em profusão, recortes, balões com falas à histórias em quadrinhos, molduras pontilhantes, etc. Tudo sem atulhar os elementos da página; ao contrário, com o uso generoso dos espaços em branco. A tônica é a leveza, como a dos textos do Joca. Casamento perfeito”, na descrição de Homero Fonseca, jornalista de neurônios fecundantes e criativos.  

Esplendidamente editado pela CEPE, sob a batura da sempre íntegra Leda Alves, helderista de caminhada altiva, o livro, entre muitas deliciosas histórias narradas pela engenhosidade literária de Joca de Souza Leão, traz uma pegadinha do poeta Mauro Mota, um dos grandes incentivadores do meu desenvolvimento profissional, juntamente com Carlos Maciel e Carolino Gonçalves, meu sempre muito amado pai. Reproduzo-a aqui, sem tirar nem pôr uma vírgula: “Mauro Mota caminha com um amigo e compadre na Rua da Palma. Em frente à Casa dos Frios, Mauro propõe dividirem um queijo do reino. – Você tá louco, Mauro, até parece que não conhece a sua comadre. Ela vai dizer que eu levei a metade pra casa e a outra pra casa da amante. Mauro insiste e convence. – Você manda ela ligar pra mim. O compadre chega em casa, não dá outra: - Metade taqui e a outra metade só Deus sabe onde está. – Liga pra Mauro. Telefone ocupado (provavelmente, fora do gancho). – Vamos à casa dele!! Depois de insistentes palmas no portão, surge Mauro como se tivesse acabado de acordar. – Minha comadre! Meu compadre!! Há quanto tempo não os vejo!!”

No livro do Joca Souza Leão, revejo José Maria Pereira Gomes e Lurdeca, amizades de adolescência; Fernando Menezes, jornalista de notável verve humorística (c a, cá, r a, ra, etc e tal); Antônio Callou, empresário vitorioso da construção civil; João Câmara, quem pictoricamente melhor retrata as mazelas do poder; João Hélio de Mendonça, companheiro fundajeano; Zépaulinho Cavalcanti Filho, cada vez mais pessoano; Marcus Acciolly, presidente do CEC; Aécio Gomes de Matos, inteligência mais de mil; e Sílvio Pessoa, companheiro de secretariado do saudoso governador Carlos Wilson Campos.  

Uma sugestão eu daria para um presente de Natal: o livro Pano Rápido, do Joca Souza Leão.
Para que os agraciados se ajudassem, pela descontração distanciada dos atropelos de final de ano,  a enxergar melhor o futuro do Brasil, um país que é complexo, desigual e diferenciado, contribuindo na resposta de uma inquietante questão: “Como entender que uma parte do povo lute por se entender em meio à complexidade atual, enquanto a outra continue a lutar para sobreviver mais um ano ou mais uns meses?”.

Junto com o livro, um cartão manuscrito pegaria muito bem: “A partir de 2012, abra seus braços para as mudanças, mas não permita que elas ultrapassem os seus valores; ame profundamente, sem medo de se machucar; não permita que pequenas disputas maculem uma grande amizade; tenha um forte comprometimento e contínua paixão pelo seu trabalho; aprenda algumas regras e quebre outras tantas. E tenha sempre uma visão positiva do mundo e do seu derredor, sentindo-se cada vez mais amado pela Criação”.

O livro do Joca Souza Leão desopila o fígado, deixando a gente mais livre, leve e solto, tal e qual o vôo passarinho do poeta gaúcho Mário Quintana.

(Publicada em 31/10/2011, no Portal da Revista ALGOMAIS, Recife – PE)
Fernando Antônio Gonçalves
 

Site criado com o sistema Easysite Acadêmico da eCliente.
ECLIENTE INFORMÁTICA