facebook
Aumentar fonte  Diminuir fonte  Indicar esta página  Imprimir esta página
SOBRE FUNDAMENTALISMOS
Vez em quando me deparo com pessoas de classe média, ou situadas acima, que se incomodam bastante por não entender bem o que seja fundamentalismo, um dos termos mais utilizados no mundo midiático contemporâneo.
 
Recomendo um livro bastante esclarecedor do teólogo Leonardo Boff: Fundamentalismo, terrorismo, religião e paz: desafio para o século XXI, RJ, Vozes, 2009, 102 p. Nele, são analisados o fundamentalismo protestante, o católico, o islâmico e o da globalização. Vejamos um pouco sobre cada um deles, segundo Boff, uma referência nacional sobre temas como ética, ecologia e espiritualidade, autor de mais de 70 livros, inclusive Ecologia, grito da terra, grito dos pobres, prêmio Sérgio Buarque de Holanda, conferido pela Biblioteca Nacional como o melhor ensaio social do ano 1994, tendo sido o livro considerado, em 1997, nos EUA, como um dos três livros daquele ano que mais favorecia o diálogo entre ciência e religião:
 
O fundamentalismo protestante aconteceu inicialmente nos interiores da Universidade de Princeton, USA, onde as palavras da Bíblia eram tomadas ao pé da letra. Segundo ele, como Deus não pode errar e é imutável, sua Palavra e suas sentenças valem para todo o sempre. Entre 1890 e 1915, uma coleção de 12 fascículos teológicos formaram a série Fundamentals: a testimony of truth, apresentando um cristianismo extremamente rigoroso, ortodoxo e dogmático, combatendo o liberalismo que proclamava a liberdade de opinião, impondo um criacionismo estrito, divulgando que só Jesus é o caminho da salvação. O fundamentalismo protestante ganhou relevância nos EEUU a partir das igrejas eletrônicas. Que combatem todo tipo de ecumenismo, visto como invenção de Satanás. Ressalte-se, por dever ético, que nem todo protestante conservador é fundamentalista.
 
O fundamentalismo católico apoia-se na certeza de ser o único portador da verdade absoluta, sentindo-se os papas  como representantes de Deus e, por via de consequência, senhores do mundo. Os exemplos dos papas Alexandre VI (1492-1503) e Nicolau V (1447-1455) podem ser caracterizados como se houvesse “somente um Deus, um papa, um rei, uma cultura e uma ordem mundial querida por Deus”. Ainda hoje, dentro do catolicismo, sobrevivem setores fundamentalistas disfarçados sutilmente sob a forma de restauração e integrismo, onde o principal inimiga a ser combatido é a Modernidade, “com suas liberdades, sua independência face ao poder religioso e seu processo de secularização”. O fundamentalismo doutrinal católico pode ser representado pela encíclica Mirari vos (1832), de Gregório XVI, que considera a liberdade de opinião como um “erro pestilentíssimo”, bem como o Sílabo de Pio IX (1864), também condenando todas as liberdades modernas.  Mais recentemente, em 2000, o documento Dominus Jesus, assinado pelo então Cardela Joseph Ratzinger, Prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé, antiga Inquisição, traz sinais fundamentalistas, posto que o documento afirma que as demais denominações cristãs não são Igreja, possuindo apenas alguns elementos eclesiais, sendo imperfeitas. O pentecostalismo católico, carregado de emocionalismos, não são sensíveis às questões de justiça, dos pobres, dos sem-teto, distanciando-se da Teologia da Libertação e das demais pastorais sociais.
 
O fundamentalismo islâmico é o que mais ganhou notoriedade nos últimos tempos. O islamismo foi a última grande religião a surgir no século VII, estendendo-se do Marrocos até a Indonésia, incluindo-se a Turquia, parte da África Negra, da Rússia e da China. Segundo Boff, “é a religião que mais cresce no mundo e tem hoje cerca de 1,2 bilhão de adeptos”. Trata-se de uma religião extremamente simples, sustentada por cinco pilastras: a oração virtual, cinco vezes ao dia, feita na direção de Meca; peregrinação a Meca, uma vez na vida; jejuar do nascer ao pôr do sol durante o Ramadã, o nono mês lunar; dar esmolas como forma de partilha e de agradecimento a Deus, doador de todos os bens; e professar que Alá é o único Deus e Maomé o seu Profeta. Se os cristãos professam que Deus se fez homem, os mulçumanos afirmam que Deus se fez livro. O Alcorão se divide em 114 capítulos (suras), distribuídos em duas grandes partes, correspondentes às atuações do Profeta: em Meca (610-622) e em Medina (622-632). A primeira parte traz textos mais curtos, fundamentalmente a doutrina, revelando um grande respeito pelos profetas, por Jesus e por Maria. A segunda parte trata de orientações concretas acerca do viver corretamente, incluindo organização política e sistema jurídico. Após a morte do Profeta, duas tradições se contrapuseram: os xiitas e os sunitas. A grande maioria, cerca de 90% dos muçulmanos, na Indonésia, no Paquistão e no Iraque, são sunitas. Atualmente, com a demonização recíproca dos lados, “os ocidentais tendem a ver nos muçulmanos as figuras do fanático religioso e do terrorista. Os muçulmanos tendem a ver nos ocidentais os ateus práticos, os materialistas crassos e os secularistas ímpios”.
 
Entretanto, Boff acrescenta ao seu livro alguns capítulos por deveras interessantes: 5. O fundamentalismo da globalização; 6. O fundamentalismo neoliberal e científico-técnico; 8. Choque ou diálogo de civilizações?; 11. Como conviver com o fundamentalismo?; 14. Terrorismo: a guerra dos fundamentalistas; 16. A construção continuada da paz; 18. Resgatar a dimensão do coração; 19. Que provável futuro nos espera?
 
Com uma conclusão denominada O próximo passo: capital espiritual, Leonardo Boff reforça um sonho dos cidadanizados do mundo: ultrapassar o capital material, favorecendo a supremacia do capital espiritual, posto que o primeiro se exaure e tem limites, enquanto o segundo é infinito e inexaurível, não possuindo limites o amor, a compaixão, o cuidado, a criatividade, valores que deveriam perfazer o capital espiritual de toda sociedade mundial. E ele conclui seu livro reproduzindo o pensar de uma mulher notável, Rose Marie Muraro: “Quando desistirmos de ser deuses, poderemos ser plenamente humanos, o que ainda não sabemos o que é, mas que já tínhamos intuído desde sempre”.
 
PS. Nossa integral solidariedade às vítimas dos atentados praticados por fundamentalistas, sejam eles das mais variadas vertentes religiosas, todas elas a revelarem uma sectarização política intensamente psicótica. 
 
(Divulgado em 18.07.2016, no www.fernandogoncalves.pro.br)
Fernando Antônio Gonçalves 
 

Site criado com o sistema Easysite Acadêmico da eCliente.
ECLIENTE INFORMÁTICA