facebook
Aumentar fonte  Diminuir fonte  Indicar esta página  Imprimir esta página
RESPONSABILIDADE CIDADÃ
Estamos numa conjuntura mundial que pode ser classificada como uma das mais gigantescas encruzilhadas da História, envolvendo segmentos religiosos, econômicos, sociais, políticos e familiares, entre outros, alterando relacionamentos pessoais e internacionais. A expressão “tempo axial”, do psiquiatra e filósofo alemão Karl Jaspers, é mais que feliz. Dá a noção de um tempo onde as ideias celeremente alteram, qualitativa e quantitativamente, os modos de ser, de agir, de criar, de prognosticar e de empreender, fazendo emergir uma sociedade de continuadas inovações, onde os destinos planetários se encontram sob a responsabilidade dos humanos, dado o colapso das religiões e das ideologias, que perderam suas credibilidades, embora permanecendo cada vez mais ampliados os desejos por liberdada e democracia, bem como os interesses por novas formas de espiritualidade, desdogmatizadoras por excelência.  

Diante da conjuntura e das mutabilidades multisetoriais, entendemos que os responsáveis por crianças e adolescentes estão atônitos, dada suas impossibilidades de maiores reflexões sobre as evoluções presentes, face às indisponibilidades de tempo para leituras e análises contemporâneas. Que, segundo o idiótico pensar da maioria, os desviariam das suas “especialidades técnico-científicas” que deles muito já exigem. Entretanto, os pais e mães responsáveis pela cidadania futura de suas crianças e adolescentes poderiam se deter nas recomendações de um psiquiatra muito conceituado, Dr. Içami Tiba, algumas delas reproduzidas abaixo para favorecer uma reflexão a dois:

1. A educação não pode ser delegada à escola. Aluno é transitório. Filho é para sempre.
2. É preciso confrontar o que o filho conta com a verdade real. Se falar que professor o xingou, tem que ir até a escola e ouvir o outro lado, além das testemunhas.
3. A autoridade deve ser compartilhada entre os pais. Ambos devem mandar. Não podem sucumbir aos desejos da criança.
4. Em casa que tem comida, criança não morre de fome . Se ela quiser comer, saberá a hora. E é o adulto quem tem que dizer qual é a hora de se comer e o que comer.
5. A criança deve ser capaz de explicar aos pais a matéria que estudou e na qual será testada. Não pode simplesmente repetir, decorado. Tem que entender.
6. Maconha não produz efeito só quando é utilizada. Quem está são, mas é dependente, agride a mãe para poder sair de casa, para fazer uso da droga . A mãe deve, então, virar as costas e não aceitar as agressões. Não pode ficar discutindo e tentando dissuadi-lo da ideia. Tem que dizer que não conversará com ele e pronto.
7. A mãe é incompetente para 'abandonar' o filho. Se soubesse fazê-lo, o filho a respeitaria. Como sabe que a mãe está sempre ali, ele não a respeita.
8. Se o filho não aprendeu ganhando, tem que aprender perdendo.
9. Não pode prometer presente pelo sucesso que é sua obrigação. Tirar nota boa é obrigação. Não xingar avós é obrigação. Ser polido é obrigação. Passar no vestibular é obrigação. Se ganhou o carro após o vestibular, ele o perderá se for mal na faculdade.
10. Quem educa filho é pai e mãe. Avós não podem interferir na educação do neto, de maneira alguma. Jamais. Não é cabível palpite. Nunca.
11. Se a mãe engolir sapos do filho, ele pensará que a sociedade terá que engolir também.
12. Professor tem que ser líder. Inspirar liderança. Não pode apenas bater cartão.
13. O erro mais frequente na educação do filho é colocá-lo no topo da casa. O filho não pode ser a razão de viver de um casal. O filho é um dos elementos. O casal tem que deixá-lo, no máximo, no mesmo nível que eles. A sociedade pagará o preço quando alguém é educado achando-se o centro do universo.
14. Filhos drogados são aqueles que sempre estiveram no topo da família.
15. Cair na conversa do filho é criar um marginal.

Recomendações que devem ser assimiladas após amplamente debatidas a dois, face às circunstância históricas de uma pós-modernidade enigmática por derradeiro. Assimilações adotadas sob a bandeira do “risco por amor”, a procurar a melhor das alternativas, sabendo dar um passo atrás para adiantar-se, dando dois passos para a frente. Sempre reconhecendo que águas passadas não movem moinho e que os ontens jamais retornarão, os amanhãs sendo bem mais promissores que as eras pretéritas.

PS. Depois do segundo turno das eleições, os principais partidos envolvidos deverão voltar-se para análise consistente dos erros estratégicos cometidos por arrogâncias, triunfalismos de bosta, messianismos idióticos, rapinagens descaradas e babelismos paranóicos. O Povo Brasileiro já começa a saber dar troco. Que diga a estupenda votação do apaulistado palhaço Tiririca. De vida bem menos suja que a de muitos ladravazes de colarinho branco que zombam das grades.

(Publicada em 11/10/2010, no Portal da Revista ALGOMAIS, Recife – PE)
Fernando Antônio Gonçalves


 

Site criado com o sistema Easysite Acadêmico da eCliente.
ECLIENTE INFORMÁTICA