facebook
Aumentar fonte  Diminuir fonte  Indicar esta página  Imprimir esta página
RELATO DE UMA DESINTEGRAÇÃO
Quando o alemão Joseph Goebbels, em 23 de julho de 1944, pronunciou a frase “Hitler precisa de uma bomba debaixo do rabo para usar a razão”, prenunciava o início da derrocada do III Reich, finalmente capitulado em maio do ano seguinte.
 
Para quem deseja saber mais sobre como tudo aconteceu, uma impressionante pesquisa foi efetivada por Ian Kershaw, editada em 2015, no Brasil, pela Companhia das Letras, sob título O Fim do Terceiro Reich: A destruição da Alemanhe de Hitler, 1944-1945. Que traz na contracapa o seguinte comentário do historiador Mark Mazower, professor da Universidade de Colúmbia, Nova York, e analista de assuntos internacionais do Financial Times: “O Fim do Terceiro Reich tem por tema um dos maiores enigmas históricos do século XX. Como explicar a extraordinária coesão da sociedade alemã até o último minuto? Como entender a ausência de revolta, a pusilanimidade, as taxas relativamente baixas de deserção entre as Forças Armadas e o controle tenaz e renitente do Estado pelo Partido Nazista à custa da vida de pessoas comuns?”  
 
O livro foi elaborado com base em amplos levantamentos e consultas múltiplas a fontes inéditas, onde Kershaw, também autor de Hitler, Companhia das Letras, 2010, a biografia clássica do tirano nazista, deixa bem claro o que o livro não retrata: “Não é uma história militar, portanto não descrevo em detalhes o que ocorreu no campo de batalha, limitando-se apenas a fornecer uma visão panorâmica dos acontecimentos nos vários fronts, como pano de fundo para as questões que toma como centrais. Tampouco tento aqui apresentar uma história do planejamento das forças aliadas, ou das fases de sua conquista. Na verdade, o livro examina a guerra sempre pelos olhos alemães, na tentativa de compreender melhor como e por que o regime nazista conseguiu sobreviver por tanto tempo. Por fim, não abordo a importante questão de continuidade além da capitulação e no período de ocupação, nem o comportamento da população alemã quando algum território foi ocupado antes do fim da guerra”.
 
Na Introdução, Kershaw relata os acontecimentos ocorridos em 18 de abril de 1945, quando tropas aliadas estão às portas de Ansbach, capital administrativa da Francônia Central, onde a resistência do fanático comandante militar da cidade, Ernst Meyer, um coronel da Luftwaffe e com doutorado em física, provocou num estudante de teologia de dezenove anos, Robert Limpert, um tido como incapaz para o serviço militar, a bravura de distribuir folhetos implorando a rendição de Ansbach, para conservar sua arquitetura em estilo barroco. Inutilmente, ele tenta cortar os fios telefônicos do comando militar, sem saber que ele já tinha sido transferido para outra área. Sua prisão e morte por enforcamento ocorreu poucas horas antes da chegada dos americanos, o “corajoso” comandante tendo fugido às pressas da cidade numa bicicleta.
 
Na Conclusão – Anatomia da autodestruição -, Kershaw revela a disposição fanática dos principais líderes nazistas na compulsão de se encaminhar para uma destruição total, jamais se entregando às forças militares vitoriosas, quando a “rendição incondicional” exigida desfavorecia e muito as loucuras hitleristas de lutar até o fim, até a destruição total de tudo. Para Hitler, “uma destruição total, mas com heroísmo”, era infinitamente preferível  ao que ele considerava a saída covarde da capitulação, sendo o suicídio dele o ponto terminal de uma liderança que não mais teria chance de ressurgir, se permanecesse vivo após Nuremberg.
 
As considerações finais do autor são convincentes: “Entre as razões pelas quais a Alemanha teve capacidade e disposição para lutar até o fim, essas estruturas de poder e as mentalidades subjacentes constituem as mais importantes. Todos os demais fatores – o prolongado apoio popular a Hitler, o cruel aparato de terror, o domínio ampliado do Partido Nazista, os papéis preponderantes do quarteto Bormann-Goebbels-Himmler-Speer, a integração negativa causada pelo receio da ocupação bolchevique e a disposição continuada por parte dos servidores civis do alto escalão e dos lideres militares de prosseguir cumprindo seu dever quando tudo estava perdido -, tudo isso, em última análise, subordinava-se à maneira como o carismático regime do Führer estava estruturado e ao modo como funcionou os seus momentos finais. ... As elites dominantes não tinham a disposição coletiva nem os mecanismos de poder capazes de impedir que Hitler arrastasse a Alemanha à destruição total”.
 
Um relato que esclarece com maestria a destruição de uma iniciativa assassina. Um texto que explica o funcionamento ininterrupto do regime até seus momentos finais, a partir de uma análise criteriosa das mentalidades alemãs em seus diferenciados níveis, dos que davam e dos que recebiam ordens.  E como o regime nazista mostrou-se capaz de cometer terríveis atrocidades até seus derradeiros instantes, transformando a Alemanha num inacreditável matadouro. Muito embora, uma carta de alemã encontrada duas semanas após o término da guerra, nos escombros de Frankfurt revelasse: “Sempre me perguntaram se eu gostaria de deixar a Alemanha, e eu sempre faço esta pergunta a mim mesma. Gostaria de tomar parte na reconstrução, embora isso de forma alguma significa que meu ódio contra os responsáveis se abrandou. Pelo contrário, eu gostaria até de ajudar a levar os criminosos para a forca.
 
Por estas bandas, sejamos cada vez mais brasileiros, abjurando pelo voto consciente os políticos corruptos, também defenestrando os dirigentes incompetentes, os executivos que se aproveitam da miséria dos despossuídos, dos religiosos que iludem, dos fingidos e amacacados que apenas desejam levar vantagem em tudo, tal e qual um infeliz anúncio de cigarro que se imaginava rabo de foguete, enriquecendo poucos e deixando os rabos dos milhões de viciados, e seus pulmões, em petição de miséria.
 
(Publicado em 30.01.2017 no site do Jornal da Besta Fubana e no site www.fernandogoncalves.pro.br)
Fernando Antônio Gonçalves
 
 

Site criado com o sistema Easysite Acadêmico da eCliente.
ECLIENTE INFORMÁTICA