facebook
Aumentar fonte  Diminuir fonte  Indicar esta página  Imprimir esta página
REDIRECIONAMENTOS MÚLTIPLOS
Não há como negar a emersão, ainda bastante lenta, de novas formas planetárias de viver, conviver e compreender, após décadas de não-solidariedade para com regiões e povos menos desenvolvidos. Emergem efetivas implementações estruturais para erradicar misérias sociais e embrutecimentos mentais. Inclusive na América Latina, onde recentemente, o novo presidente peruano Ollanta Humala, declarou-se favorável às políticas públicas que minimizem ignominiosas diferenças entre os que possuem muito mais do que necessitam e os que se encontram distanciados de um mínimo indispensável. Um despertar sobrevivencial já apontado pelo historiador Tony Judt, eternizado em agosto do ano passado: “o caráter materialista e egoísta da vida contemporânea não é inerente à condição humana”. E que denunciou corajosamente “a obsessão pelo acúmulo de riqueza, o culto da privatização e do setor privado, a crescente desigualdade entre ricos e pobres, a admiração acrítica pelos mercados livres de restrições, desdém pelo setor público e ilusão do crescimento interminável”, num livro que deveria ser lido e discutido por todos aqueles que batalham por maior cidadania planetária, O Mal Ronda a Terra – Um Tratado Sobre as Insatisfações do Presente, Objetiva, 2011, 212 p.

Atualmente, no Brasil, em todas as suas administrações estaduais, observa-se claras manifestações, umas mais eficazmente comandadas que outras, em direcionar a esfera pública para as áreas Educação e Saúde, os vetores sociais da cidadania. Constata-se, através de quantitativos idôneos, embora persistentemente vexaminosos, que o país menosprezou para milhões, nos últimos quarenta anos, um corpo sadio numa mente sadia, optando por pedra e cal, aparências e  blá-blá-blás. Reduzindo um montão de brasileiros a coisa nenhuma, impossibilitando-os de alcançar a condição de situados e datados, como dizia Paulo Freire, um educador pernambucano consciente dos desafios que exigem um permanente aprender, desaprender e reaprender, sem desatentar-se para as conjunturas históricas.

Não se pode mais classificar o Brasil como um país subdesenvolvido, ainda que continue a ser um país ainda socialmente muito injusto, portador de uma escandalosa má distribuição de renda, seguramente uma das piores do planeta.    Nem tampouco desconhecer que os dirigentes públicos estaduais, com as exceções vexaminosas de sempre, estão mais amadurecidos para a questão social, sem os furores demagógicos que denigrem nem  os paternalismos que apenas anestesiam. Quase todos eles arregimentaram quadros técnicos de nível político-administrativo superior à média latinoamericana, aptos para um bom combate que a todos interessa.

No nível estadual, por exemplo, reconhece-se nacionalmente a dinâmica desenvolvimentista comandada pelo governador Eduardo Campos, sempre hábil, emocionalmente equilibrado, capaz de entender, diante de um mercado de trabalho a carecer ampla capacitação, a urgência de uma educação fundamental de qualidade, de há muito já tendo assimilado que onde todos são, todos são bem mais.

Às vésperas de uma reestruturação econômica mundial de grosso calibre, cabe implementar políticas públicas criteriosas, sem as afobações puxasaquïsticas nem os apedrejamentos dos que em tudo vêm maracutaias, embromações, cavilações e bandidagens. Que terminam por provocar partidas-paradas, aquelas iniciativas que permanecem, concluidas as etapas finais, no mesmo ponto de antes de terem começado.  

É hora de sempre se apostar no cavalo certo. Nunca se esquecendo, os mais politicamente evoluídos, do que escreveu John Maynard Keynes: “Em vez de usar seus recursos técnicos e materiais ampliados para erguer uma cidade admirável, os homens do século XIX construíram cortiços ... que ‘passaram’ no teste do lucro da iniciativa privada, enquanto que uma cidade admirável seria, pensavam, um ato de delirante extravagância que acabaria por ‘hipotecar nosso futuro’, no imbecil jargão econômico em voga”. 

No mais, é seguir a recomendação de John Foden, um especialista em tomada de decisões de Manchester: “as pessoas precisam falar sobre alguma coisa e, se elas não sabem o que está acontecendo, a conversa só pode se transformar em tagarelice”.

PS. Parlamentares têm vida pública. Não podem, arrotando grandezas em ambientes mais lúbricos que lúdicos, exibir identidades privilegiadas. Os tempos são outros e o eleitorado está começando a diferenciar o joio do trigo. E os construtores de sempre dos arroteiros infantilizados de mandato único.

(Publicada em 01/08/2011, no Portal da Revista ALGOMAIS, Recife – PE)
Fernando Antônio Gonçalves

 

Site criado com o sistema Easysite Acadêmico da eCliente.
ECLIENTE INFORMÁTICA