facebook
Aumentar fonte  Diminuir fonte  Indicar esta página  Imprimir esta página
REDENÇÃO OU CAOS
 Os especialistas em conjunturas planetárias futuras estão convencidos da alta veracidade de uma declaração firmada, em 1982, pelo alemão Hans Küng, tido hoje como o teólogo mais respeitado do mundo cristão: “não haverá paz mundial sem paz religiosa”. Segundo ele, “não há dúvida de que nos encontramos numa fase decisiva e delicada para a reformulação das relações internacionais, do relaxamento entre o Ocidente e o Islã e também para as relações entre as religiões abraâmicas: Judaísmo, Cristianismo e Islamismo”. E Küng aponta as opções que se descortinam: “ou uma rivalidade entre as religiões, choques culturais, guerra das nações ou diálogos de culturas e paz entre as religiões como pressupostos para a paz entre as nações”. Uma paz edificada através do estabelecimento de sólidas pontes e sem escamoteamento das diferenças

Hans Küng acredita ser uma solução dialogal pacífica a única alternativa que possibilitará a viabilização de uma harmônica ordem mundial, os conflitos sendo erradicados mediante conversas francas, sem intolerâncias dos envolvidos. A contemporaneidade internacional requer paradigmas pós-modernos, onde se busque ampliar as relações comunitárias, as cooperações técnicas e as integrações políticas, socioeconômicas e culturais, segundo as emanações contidas na Cartas das Nações Unidas.

Os livros escritos por Hans Küng buscam orientar todos aqueles que estão dispostos a dialogar com os que anseiam pela predominância de cenários onde pontifiquem  olhares e ações direcionados para amanhãs menos imperialistas. Que proporcionem uma compreensão histórica não distorcida sobre as três religiões monoteístas: 14 séculos de Islamismo, mais de 30 séculos de Judaísmo e 20 séculos de Cristianismo. Estabelecendo, por consequência, diálogos e debates que impossibilitem endurecimentos fanáticos das comunicações ultra-tendenciosas. 

O combate que se deve travar no dialogo entre as religiões monoteístas se relaciona com a minimização continuada das hipocrisias, aqueles que pressupõem a superioridade de uma delas sobre as demais. Reconhece Küng, no seu livro último, “que entre os muçulmanos, mais ainda do que entre os judeus ou os cristãos, se espalhou a ideia de que a religião permaneceu sempre igual”. E Küng demonstra como tal ideia se encontra amplamente distanciada da realidade histórica contemporânea, mesmo reconhecendo duas grandes dificuldades: a de ousar imiscuir-se, como teólogo cristão, nos assuntos intramuçulmanos; e como ampliar a perplexidade entre os cristãos, indo de encontro aos irmãos muçulmanos. Sempre se insurgindo contra os dogmáticos das três vertentes monoteístas, cada uma delas a proclamar Deus como propriedade exclusiva.

Nunca se envolvendo com os detalhes menos significativos, Hans Küng faz sobressair os condicionamentos, os motivos e os constrangimentos, esclarecendo o que emerge e o que tornou-se sobreposto neste ainda indefinido século 21.

Atualmente presidindo a Global Ethic Foundation, o teólogo Küng tenta erradicar os preconceitos existentes nos segmentos monoteístas, o conjunto deles se constituindo, hoje, na maior ameaça à paz mundial. E adverte sempre sobre as ações predatórias dos que se confinam nos limites de uma fé infantil, vivenciada num cristianismo barato, edulcorado por manifestações cosméticas, alguma até aeróbicas, que alienam e pouco esclarecem, sempre a encobrir os desafios do mundo atual.  

(Publicado no Jornal do Commercio, Recife, Pernambuco, 08.03.2013)  
Fernando Antônio Gonçalves
 

Site criado com o sistema Easysite Acadêmico da eCliente.
ECLIENTE INFORMÁTICA