facebook
Aumentar fonte  Diminuir fonte  Indicar esta página  Imprimir esta página
RAVENSBRÜCK
O nome acima se refere ao único campo de concentração nazista construído para mulheres, sua denominação se derivando de uma pequena aldeia, o campo se localizando a cerca de 80 quilômetros ao norte de Berlim, situado à beira de um lago, cercado por uma área florestal de rara beleza. Concebido por Heinrich Himmler, um assassino que arquitetou o genocídio nazista, o Campo de Ravensbrück aprisionou, até o final da guerra, mais de 130 mil mulheres, de mais de vinte países, entre as quais Beneviève, sobrinha do general Charles De Gaulle, Gemma La Guardia, irmã do então prefeito de Nova York e Olga Benário Prestes, judia alemã, companheira do líder comunista brasileiro Luiz Carlos Prestes, deportada pusilanimemente do Brasil pelo ditador Getúlio Vargas, devidamente acoitado por um dos seus braços executivos, Filinto Müller, então chefe da Polícia Política, tudo aprovado por um então acachapado Superior Tribunal Federal. 

Originalmente, Ravensbrück era um local para nazistas aprisionarem as mulheres denominadas por eles de “criaturas inferiores”, constituídas de marginais, ciganas, inimigas políticas, resistentes estrangeiras, doentes, deficientes e as que eram classificadas por ‘loucas’. Nos meses finais da guerra, Ravensbrück foi transformado em campo de extermínio, onde foram assassinadas, somente em 1945, entre 30 e 50 mil prisioneiras.

Durante muitos anos, a história das atrocidades cometidas em Ravensbrück ficaram por trás da cortina de ferro, sendo até hoje pouco conhecida dos historiadores. No final da Guerra Fria, a pesquisadora Sarah Helm foi ao coração do campo de concentração, entrevistando sobreviventes, demonstrando quão rapidamente o terror evoluiu. Elaborou um livro notável – Ravensbrück: a história de um campo de concentração nazista para mulheres, Sarah Helm, Rio de Janeiro, Record, 2017, 922 p. Um relato  sobre os horrores praticados, num trabalho de investigação histórica de rara clareza, que enaltece tanto a capacidade do ser humano para a crueldade quanto para a coragem e a resistência contra todas as adversidades possíveis. 

Himmler inspecionava frequentemente Ravensbrück, em determinada ocasião tendo avaliado que os massacres cometidos não estavam sem a rapidez determinada. Este assassino muito apreciava que seus campos de concentração estivessem  edificados em áreas de beleza natural. Lamentavelmente, até a conjuntura atual, a quase totalidade dos crimes hediondos lá praticados e a coragem demonstrada pelas vítimas não são de pleno conhecimento histórico.

Inaugurado em 1939, quatro meses antes do começo da guerra, o campo foi liberado pelos russos seis anos depois, sendo um dos últimos campos libertados pelos Aliados. Logo no primeiro ano, quase duas mil pessoas nele estavam aprisionadas, subdivididas em dois grandes grupos: as comunistas e as testemunhas de Jeová, que tinham classificado Hitler de anticristo. O restante tinha sido encarcerado simplesmente por terem sido classificadas de “seres inferiores”, inclusive prisioneiras feitas em países ocupados pelas tropas nazistas, que tinham oferecido heroica resistências aos agressores. Uma percentagem que girava em torno de 10% era de prisioneiras judias, embora a área não fosse para isso destinada exclusivamente. Nos seis anos de existência o campo de Ravensbrück conviveu com mais de 130 mil mulheres, no seu auge comportando 45 mil mulheres, que eram torturadas, esfaimadas, exploradas até a morte, envenenadas, executadas e gaseadas, sendo o total de mortes variando entre 30 e 90 mil, muito embora inexistam documentos comprobatórios, face a queima gigante de prontuários incinerados nos tempos finais da guerra, onde cinzas de corpos e documentos foram jogadas no lado.

O interesse maior de Sarah Helm teve início quando ela ouviu falar em Ravensbrück pela vez primeira, consultando documentos deixados por Vera Atkins, que fora durante a guerra oficial da Agência de Operações Especiais (SOE) do serviço secreto britânico, cujas mulheres haviam saltado de paraquedas na França para ajudar a resistência, inúmeras tendo desaparecido, muitas delas sendo enviadas a campos de concentração. Numa das caixas de papelão que serviam de arquivo deixadas na casa de uma cunhada de Vera, na Cornualha, o título Ravensbück. E continha rascunhos de entrevistas com sobreviventes e suspeitas de integrarem o Serviço Secreto, onde um dos depoimentos relatava ter visto “germes de sífilis serem injetados nas medulas de prisioneiras”, enquanto outras eram forçadas a trabalhar em prostíbulos de Dachau.

Dentre os arquivos, foi encontrado o endereço de uma senhora chamada Chatenay, “que sabia sobre a esterilização de crianças no Bloco 11”. E também uma declaração de uma doutora Louise Le Porz que afirmava ter sido Ravensbrück construído em área de propriedade de Himmler, proprietário de castelo edificados nas redondezas.

No fundo da referida caixa, Sarah Helm encontrou listas manuscritas de prisioneiras que haviam sido surrupiadas de uma polonesa. Da lista, algumas sobreviventes estavam vivas e residiam em Londres. E que faziam alguns questionamentos: “Onde ficava o campo? Por que havia um campo exclusivamente para mulheres? Seriam elas judias? Tratava-se de um campo da morte? Seria uma campo de trabalho escravo? Haveria sobreviventes?”

Lamentavelmente, a história de Ravensbrück foi obscurecida até hoje. Oito mil francesas, mil holandesas, dezoito mil russas e quarenta mil polonesas foram lá encarceradas. Até os britânicos, que tiveram mais de vinte mulheres naquele campo, nada esclareciam sobre às torturas e mortes lá acontecidas.

No livro, evidências foram revividas e distorções foram corrigidas. Por isso, o livro merece ser lido, para fazer justiça à bravura da mulher, “numa abominação que o mundo resolvera esquecer”, segundo denúncia do escritor francês François Mauriac. A biografia de um campo, através das vozes de algumas sobreviventes, muito enaltece a coragem de mulheres que dignificam a raça humana. 
_________________________________________
Fernando Antônio Gonçalves é pesquisador social
 

Site criado com o sistema Easysite Acadêmico da eCliente.
ECLIENTE INFORMÁTICA