facebook
Aumentar fonte  Diminuir fonte  Indicar esta página  Imprimir esta página
QUASE UMA FRIA
Pela primeira vez na vida, eu entraria numa fria gigante, dessas que afolozam você pro resto dos seus dias. Explico: uma amiga minha, freira setuagenária, incansável leitora de bons livros, inteligência raríssima num mundo religioso onde a maioria ainda é possuidora de uma criticidade ameninada, faria mais um ano de vida, com direito a presentes, bolos, guaranás e parabéns. E eu, como só gosto de presentear livros, resolvi dar uma pesquisada por alguns sites. Num deles, meio apressado, deparei-me com o título Um Rabisco de Deus, de Tom Hickman, veterano jornalista, editor e ex-produtor da BBC, também autor de diversos textos, inclusive um, O Segurança de Churchill, com várias premiações internacionais pelas revistas especializadas.

Autorizei o envio via Sedex, abrindo o pacote para pôr uma dedicatória fraternal. O susto que tomei foi do tamanho de um bonde, como classificava vovó Zefinha, também madrinha brabosa que sempre me aprumou quando menino. O livro encomendado tinha um subtítulo: O Pênis, da criação aos dias de hoje. Um trabalho de muita pesquisa, editado pela Bússola, São Paulo, 2013, seguindo a classificação feita por Sófocles: “quem tem um pênis é estar acorrentado a um louco”. E o autor, em Um Rabisco de Deus, ressalta “a história do pênis proveniente da mitologia, das culturas universais, da religião, da literatura, da ciência, da medicina e da vida contemporânea, com seus altos e baixos – o macabro e o apavorante, o engraçado e o triste -, tudo narrado com uma inteligência mordaz”. Um livro não pornográfico, não imoral, sem cafajestagem, tampouco chulo, a reproduzir em suas páginas uma reflexão de Leonardo da Vinci, gênio da Renascença, escrita quinhentos anos atrás, sobre a relação entre o homem e seu pênis: “O pênis tem acordos com a inteligência humana e às vezes demonstra uma inteligência própria, a qual um homem deseja estimular, mas ele fica obstinado e segue seu curso... Eis porque se diz que essa criatura parece ter vida e inteligência separadas das do homem”.

Uma história do livro, contei à freira amiga, entre bolos e guaranás: um dia, o notável Alfred Kinsey, autor do clássico Sexual Behavior in the Human Male, perguntou a uma aluna puritanosa de uma sala de aula qual o órgão do corpo humano era capaz da maior expansão. A babaca esperneou: - Professor Kinsey, o senhor não tem o direito de me fazer essa pergunta. No que Kinsey respondeu: - Eu estava pensando no olho – na íris do olho. E você, jovem senhora, está a caminho de uma grande decepção!

Todos riram e o resto eu conto: a freira amiga quis porque quis que eu emprestasse o livro para ela também se inteirar do assunto. Confesso que emprestei...

(Publicado no Jornal do Commercio, Recife, Pernambuco, 10.01.2014 
Fernando Antônio Gonçalves
 
 

Site criado com o sistema Easysite Acadêmico da eCliente.
ECLIENTE INFORMÁTICA