facebook
Aumentar fonte  Diminuir fonte  Indicar esta página  Imprimir esta página
POR UM AGIR CONSEQUENTE
O muito conhecido médium Waldo Vieira, que militou ao lado do Chico Xavier, na década de 1950, na Comunhão Espírita Cristã, era natural de Montes Claros, Minas Gerais, nascido em 1932. Médico e também dentista, Vieira transferiu-se para o Rio de Janeiro em meados do anos 60, onde psicografou diversas obras, uma das quais, Conduta Espírita, BSB, FEB, 2015, 118 p., recebeu 32 edições, a última com seis impressões, numa tiragem total de 21 mil exemplares, da qual 4 mil em dezembro do ano passado. E o psicografado foi o Espírito de André Luiz, que se descreve como um aprendiz, tendo sido médico sanitarista no Rio de Janeiro quando encarnado, nos princípios do século XX, cujo primeiro livro de sua autoria espiritual, Nosso Lar, foi publicado na década de 1940, psicografado por Chico Xavier, um texto considerado fundamental para o entendimento do mundo espiritual, dada suas descrições e evidências da vida após a morte. Hoje, o Espírito de André Luiz é considerado um dos mais fiéis seguidores dos preceitos divulgados pela Doutrina Espírita e das orientações de Allan Kardec, o Codificador.
 
O livro Conduta Espírita transmite um conjunto de recomendações e lembretes para uso pessoal daqueles cristãos que buscam um caminhar repleto de concordâncias com os ensinamentos do Homão da Galileia, nosso Irmão Libertador. Muito embora, para tanto, segundo André Luiz, não basta apenas admirar o Cristo e divulgar seus preceitos, sendo imprescindível acompanhá-lo para que estejamos sempre na bênção da luz. A leitura do livro provoca ampliação do bom senso, ajudando a discernir, posto que quem aprende a discernir sabe bem como sempre deve fazer.
 
Dos 47 temas expostos no livro, ousamos escolher os mais fundamentais para os tempos turbulentos de agora, quando todo o contexto planetário se encontra atordoado com os múltiplos e inconsequentes fundamentalismos.
 
Da Mulher – “Preservar os valores íntimos, sopesando as próprias deliberações com prudência e realismo, em seus deveres de irmã, filha, companheira e mãe.”
Do Jovem – “A imprudência constrói o desajuste, o desajuste cria o extremismo e o extremismo gera a perturbação.”
No Lar – “Evitar o luxo supérfluo em aposentos, objetos e costumes, imprimindo em tudo características de naturalidade, desde os hábitos mais singelos até os pormenores arquitetônicos da própria moradia.”
Na Via Pública – “Abolir o divertimento impiedoso com os mutilados, com os enfermos mentais, com os mendigos e com os animais que nos surjam à frente.”
Em Viagem – “Não se esquecer do respeito, da gentileza e da cordialidade com que se devem tratar indistintamente funcionários e servidores em veículos, hotéis, repartições e lugares públicos.”
No Trabalho – “Em nenhuma ocasião desprezar as ocupações de qualquer natureza, desde que nobres e úteis, conquanto humildes e anônimas.”
Na Sociedade – “A evolução requer da criatura a necessária dominação sobre o meio em que nasceu.”
Nos Embates Políticos – “Cumprir os deveres de cidadão e eleitor, escolhendo os candidatos aos postos eletivos, segundo os ditames da própria consciência, sem, contudo, enlear-se nas malhas  do fanatismo de grei.”
Perante a Criança – “Eximir-se de prometer às crianças que estudam, quaisquer prêmios ou dádivas como recompensa ou (falso) estímulo pelo êxito que venham a atingir no aproveitamento escolar, para não lhes viciar a mente.’
Perante os Doentes – “Em nenhuma circunstância garantir a cura ou marcar o prazo para o restabelecimento completo dos doentes, em particular dos obsidiados, sob pena de cair em leviandade.”
Perante os Profitentes de Outras Religiões – “Sistematicamente não impor ou forçar a transformação religiosa dos irmãos alheios à fé que lhe consolo o coração.”
Perante a Oração – “Controlar a modalidade da voz nas preces públicas, para fugir à teatralidade e à convenção.”
Perante a Pátria – “O genuíno amor à pátria, longe de ser demagogo, é serviço proveitoso e incessante.”
Perante a Natureza – “Eximir-se de reter improdutivamente qualquer extensão de terra sem cultivo ou sem aplicação para fins elevados.”
Perante os Animais – “Apoiar, quanto possível, os movimentos e as organizações de proteção aos animais por meio de atos de generosidade cristã e humana compreensão.”
Perante o Corpo – “Fugir de alimentar-se em excesso e evitar a ingestão sistemática de condimentos e excitantes, buscando tomar as refeições com calma e serenidade.”
Perante o Tempo – “Ainda que assoberbado de realizações e tarefas, jamais descurar o bem que possa fazer em favor dos outros.”
Perante a Instrução – “Na academia do Evangelho, todos somos adultos.”
Perante a Ciência – “Quando chamado a responsabilidade no setor científico, superar limitações e preconceitos sem perder a simplicidade e a modéstia.”
Perante Jesus – “Identificar a posição que lhe cabe em relação a Jesus, o Emissário de Deus, evitando confrontos inaceitáveis.”
 
Diante das dificuldades surgidas, uma releitura dos balizamentos acima nos possibilita ampliar a “enxergância”, nos possibilitando um direcionamento mais consentâneo com os desígnios da Criação.
 
Sejamos todos irmãos!!!
 
PS. De parabéns o Grupo Espírita Seara de Deus, pela excepcionalidade do 11º SIMESPE – Simpósio de Estudos e Práticas Espíritas de Pernambuco, realizado neste último final de semana no Centro de Convenções de Pernambuco sob o tema central “A visão espírita em torno do viver: os desafios ético-morais e os caminhos para o crescimento do ser”. Excepcionais as palestras de Divaldo Franco, Décio Iandoli e Frederico Menezes. Auditório superlotado e com muita participação!
 
(Divulgado em 01.08.2016, nos sites www.luizberto.com e www.fernandogoncalves.pro.br)
Fernando Antônio Gonçalves 
 

Site criado com o sistema Easysite Acadêmico da eCliente.
ECLIENTE INFORMÁTICA