facebook
Aumentar fonte  Diminuir fonte  Indicar esta página  Imprimir esta página
PASTOR DOS TORTURADOS
 No instante em que a Comissão da Verdade Nacional concluir seus trabalhos, seguramente uma personalidade simbolizará a luta pela salvaguarda de milhares de perseguidos pelo golpe militar de 1964, que se auto-proclamou de Revolução: James Wright, ministro presbiteriano, um dos maiores símbolos da resistência cristã ecumênica aos autoritarismos selvagens do século passado, também bravo militante na luta por justiça e direitos humanos.

Em conjuntura oportuna, quando um homofóbico idiotizado travestido de parlamentar torna-se eleito presidente de uma das Comissões mais significativas do Congresso Nacional, a de Direitos Humanos, a biografia de Jaime Wright é editada pela Metanoia, São Paulo. E escrita sem estilo muito didático pelo teólogo, pesquisador e também pastor Derval Dasílio, do Centro de Formação Teológica E. Shaull, instituição evangélica de referência nacional. 

Tudo começou quando, em determinada ocasião, presentes Jaime Wright, Dom Paulo Evaristo Arns  e o autor do livro, alguém disse que “isso tudo vai ser esquecido na próxima geração, como foi esquecido tudo o que Getúlio praticou no tempo dele, e foram horrores”. Um desencanto que avivou no autor do livro a vontade de há muito sentida de biografar a caminhada do pastor Wright, guardião do projeto Brasil: Nunca Mais. Um pastor que “ia pessoalmente a organismos internacionais voltados para a defesa da humanidade e dos seres humanos, dos direitos fundamentais da vida, para denunciar as atrocidades dos regimes militares na América Latina, buscando abreviar a duração do terror nas tiranias impostas”. 

Nascido em 12 de julho de 1927, em Curitiba PR, e eternizado em 29 de maio de 1999, em Vitória ES, Wright iniciou seu ministério no final da década de 1960, em Caetité, interior da Bahia, já sendo vítima das primeiras perseguições. Em 1974, rebela-se contra um pastor que apoiava frontalmente a ditadura, integrando-se ao projeto Brasil: Nunca Mais, iniciativa que custou 500.000 dólares, doados pelo Conselho Mundial de Igrejas. Concluído o projeto, mais de um milhão de páginas copiadas de 707 processos, tudo resultando em 543 rolos de microfilmes devidamente guardados no exterior, a tortura na ditadura, segundo Dasílio, passou a ter nome, endereço, vítima e responsável.  

Diante do desaparecimento, em 1973, nos porões da ditadura, do seu irmão Paulo Wright, militante esquerdista e deputado estadual cassado, sequestrado e morto clandestinamente, o reverendo Wright une-se secretamente ao cardeal Dom Paulo Evaristo Arns, tendo editado, em 1985, o livro Brasil: Nunca Mais, um marco na história mundial na luta pelos Direitos Humanos violentados nos porões ditatoriais latinoamericanos. 

Uma explicação torna-se necessária: Jaime Wright “não foi exilado ou expulso , como muitos outros, porque o presbiterianismo ecumênico que o sustentava do exterior não acolheu os inúmeros pedidos de autoridades protestantes conservadoras. Apesar de ser alvo de denúncias eclesiásticas a partir do presbiterianismo brasileiro fundamentalista e sofrer ameaças quanto à sua atuação como coordenador de várias dezenas de pastores missionários e suas famílias.” 

O livro Brasil: Nunca Mais, uma síntese bastante significativa do projeto, foi lançado, em julho de 1985, pela editora Vozes, tendo sido reimpresso 20 vezes nos dois primeiros anos. Em 2009, ele se encontrava na 37ª. edição.  

O psicanalista Hélio Peregrino, um envolvido com a discussão sobre Direitos Humanos à época, dizia que “não se poderia chegar a um Estado de Direito sem revelar a memória da repressão e da tortura”. O depoimento de Anivaldo Padilha, pai do atual Ministro da Saúde, contida no livro, ratifica o pensar de Helio Peregrino. Transcrevo o seu final: “Suponho que todos neste auditório  sabem que a tortura era uma Política de Estado. Por isso, é essencial o estabelecimento de uma Comissão de Verdade para investigar os crimes da ditadura, apontar quem são os torturadores, seus mandantes, seus colaboradores e apoiadores. A punição deles é importante para resgatar a dignidade dos que foram torturados, a dignidade da memória dos assassinados e desaparecidos, e a dignidade das famílias que não puderam ainda sepultar seus entes queridos. ... Não queremos vingança, mas justiça. Que sejam investigados, processados, garantindo-lhes o devido processo, julgados pelas cortes do Estado de Direito e não por tribunais de exceção como fizeram conosco. ... Termino citando Lamentações de Jeremias 3,21: “Quero trazer à memória o que me pode dar esperança.” 

“Para que não se esqueça! Para que não mais aconteça!”, um excelente balizamento norteador. Perdoar, sim, esquecer jamais! E julgar e punir, quando alcançarmos a plenitude democrática!

(Publicada em 15.04.2013, no Jornal da Besta Fubana, Recife, Pernambuco)
Fernando Antônio Gonçalves
 
 

Site criado com o sistema Easysite Acadêmico da eCliente.
ECLIENTE INFORMÁTICA