facebook
Aumentar fonte  Diminuir fonte  Indicar esta página  Imprimir esta página
PARA ENFRENTAR AMANHÃS
 
Na minha caminhada existencial, tenho me envolvido com inúmeras leituras reflexivas, algumas mais profundas que outras, escritas por diferentes personalidades mundiais. Expresso aqui a opinião de três delas. A primeira é de Alexis Carrel, cirurgião francês, prêmio Nobel de Medicina: “A inteligência é quase inútil para quem não tem outras qualidades”. A segunda é de Albert Einstein, outro prêmio Nobel (Física), para quem “o primeiro dever da inteligência é desconfiar dela mesma”. E a terceira é do criador do detetive famoso Sherlock Holmes, Arthur Conan Doyle, cujos livros muito me encantam até os dias de agora: “A mediocridade não conhece nada melhor que ela mesma, mas o talento reconhece instantaneamente o gênio”.

 
As reflexões acima refletem o ranço dos seus autores pelos sabichões empavonados, que se imaginam acima do bem e do mal, sem identificar os de inteligência superior às deles, tampouco diferenciando talento e genialidade, os primeiros atingindo as metas além dos outros, os segundos binoculizando fatos que os demais ainda não conseguiram ver.
 

 
Finda minha carreira de docente universitário, 45 anos de dedicação sem modismos enrolocracias,, embora eivados de uma contemporaneidade analítica sem chiliquismos ideológicos nem pedanterias cavilosas, jamais olvidei a advertência do Galilleu Galilei, um que quase de lasca todo diante de uma nunca mundialmente respeitada Inquisição, repleta de doutos olhares voltados apenas para os ontens e anteontens que jamais retornarão: “Não se pode ensinar nada a um homem; só é possível ajudá-lo a encontrar a coisa dentro de si”.
 

 
Embora economista e estatístico avesso às pegadinhas quantitativas que os tecnocratas tentam impor aos mentalmente abiscoitados, sempre tive preferências mais voltadas para às áreas humanas, principalmente sociologia, história, pesquisa social e manifestações religiosas. Pouco me importando vanguardismos de verão, ideologias de botequim, a cada amanhecer buscando entender porque “a medida mais segura de toda força é a resistência que ela consegue vencer”, como apregoava Freud, o pai da psicanálise, tido inicialmente como herege por buscar interpretar os impulsos da alma.
 

 
Sempre entendi, embora com uma mínima bagagem filosofal, posto que meu Segundo Grau foi Científico, que na história do pensamento humano, todas as ideias foram consideradas faróis definitivos, quando elas apenas refletiam uma periodicidade, decompondo-se quando a inventividade criativa da humanidade as substituía por outras também consideradas faróis, ainda que tão periódicas quanto as anteriores. E percebi lentamente, numa maturidade provocada por dúvidas existenciais, que as ciências não são estáticas, aproximando-se ou se reagrupando ao longo dos séculos. Consolidação de uma caminhada sempre inconclusa, tudo acontecendo gradativamente, mediante leituras bem orientadas por talentos que muito me inspiraram.
 

 
Entretanto, das figuras históricas que me encantaram ao longo dos meus anos de vida, sedimentando um amor cada vez mais profundo, foi Jesus de Nazaré, um judeu muito arretado de ótimo. Um Galileu de quem me considero irmão de caminhada. Seus ensinamentos, nunca superados, sempre me acalentaram novos desafios superadores, novas reflexões libertadoras, fazendo-me entender que os seus objetivos explicitavam a fraternidade de todos os povos e nações.
 

 
Nos últimos tempos, tenho refletido bastante sobre um livro escrito pelo pesquisador espírita José Herculano Pires, também filósofo, poeta, romancista, escritor e jornalista, que dedicou sua vida ao estudo do Cristianismo, sem os acréscimos novotestamentários redirecionados por Constantino. Um de seus livros – O Evangelho de Jesus em Espírito e Verdade, SP, Editora Paideia, 2016, 384 p. - é uma amostra convincente de seu legado intelectual, quando, através de programa mantido na Rádio Mulher, década de 1970, buscava analisar os ensinamentos do Nazareno, descortinando os horizontes das mensagens até então pouco compreendidas pelos Seus seguidore, “não segundo a letra que mata, mas segundo o espírito que vivifica.”

 
Segundo Célia Arribas, a organizadora do livro, autora da Apresentação, “o evangelho do Cristo, em espírito e verdade, nos clama constantemente a uma elevação íntima, a uma reforma interior, jamais ao apego a expressões textuais e aparências enganosas. ... Costumes e crenças são aqui analisados à luz da história, minimizando qualquer elemento mítico ou ritualístico que possa comprometer a compreensão da verdade espiritual do homem e o sentido da sua existência – a transcendência.” E foi além: “A intenção do Professor, como afirmava repetidamente no programa (de rádio), jamais foi a de convencer quem quer que fosse, tampouco de fazer prosélitos. O propósito era o de despertar os ouvintes para a compreensão na natureza e do desenvolvimento espiritual do homem, sem dogmatismos, sem julgamentos, sem profissão de fé.”
 

O livro do professor José Herculano Pires contém 100 explanações originais suas, um conteúdo de muita valia para quem busca, como eu, apreender mais a cada dia a Doutrina Espírita, para identificar melhor a essência da mensagem de Jesus, um nazareno que muito amo.

 
PS1. Recomendo para todos aqueles que apreciam a descrição da trajetória existencial de personalidades que alteraram os rumos civilizatórios o livro Vida de Jesus, Ernest Renan, Editora Martin Claret, SP, 2004, 528 p., texto integral, com cinco apêndices: Jesus, Evangelho, O Jesus da História, A morte de Jesus e Um novo rumo: pesquisa sobre Jesus. Escrito em 1863, tornou-se uma das mais célebres biografias do Homão da Galileia, seu autor se constituindo num dos primeiros esteios da evolução do racionalismo do século XIX, denominando Jesus de “homem incomparável”.
 

PS2. Minha singela homenagem ao pe. José Edwaldo Gomes, da paróquia da Casa Forte, pela sua desencarnação, acontecida na última semana. Tinha-o na conta de irmão mais velho, muito tendo usufruído da sua sapiência nunca carismática.
 
(Publicado em 24.07.2017 no site do Jornal da Besta Fubana (www.luizberto.com) e em nosso site www.fernandogoncalves.pro.br.)
 

Site criado com o sistema Easysite Acadêmico da eCliente.
ECLIENTE INFORMÁTICA