facebook
Aumentar fonte  Diminuir fonte  Indicar esta página  Imprimir esta página
PAPO ENTRE TALENTOS
Para quem deseja comemorar bem o Dia do Professor, também da Senhora Aparecida,  recomendo, com uma vontade bem grandona de desejar menos inflação para os brasileiros sem abastardamentos políticos, acadêmicos, civis, militares e religiosos, a leitura de um recente lançamento da editora Agir, Rio de Janeiro. Que em muito boa hora ressalta as significativas contradições e questionamentos entre fé e ciência através de conversas mantidas por dois talentos brasileiros, intermediadas por profissional não menos arguto. Um convite ao leitor para participar de uma discussão fascinante, num clima de pluralidade ideacional, sem as boçalidades nem dogmatismos que acabrestam, o pensar sendo exposto através de páginas de muita clareza, sem constrangimentos, onde concordâncias e divergências são externadas em altíssimo nível, sempre buscando ampliar as enxergâncias analíticas dos debruçados sobre o fascinante binômio Fé x Ciência.

O livro intitula-se Conversa sobre a fé e a ciência, envolvendo reflexões dialogais mantidas entre Frei Betto e Marcelo Gleiser. O primeiro,  teólogo militante cristão e autor de livros editados no Brasil e no exterior, duas vezes galardoado com o Prêmio Jabuti. O outro, de origem hebraica e hoje aplaudido físico agnóstico, é astrônomo, membro da Academia Brasileira de Filosofia, atualmente lecionando Física e Astronomia no Dartmouth College, Estados Unidos. Uma troca de crenças e reflexões intermediadas por Waldemar Falcão, escritor, astrólogo e tambem músico, autor dos livros Encontros com médiuns notáveis e O Deus de casa um, ambos da área não-ficcional.

Para quem tem anseios perscrutadores desalienantes sobre a existência humana, não tolerando deixar a vida ser levada através de imposições, embromações e outras alienações, com dias sensaborões vivenciados uns atrás dos outros, quase todos eles existencialmente desestruturadores, o livro Conversa sobre a fé e a ciência revela a trajetória de dois especialistas brasileiros, de áreas acadêmicas distintas, que se desnudam intelectualmente, sem hipocrisias nem pedantismos, reconhecendo serem “metamorfoses ambulantes” a la Raul Seixas, aquele menestrel baiano, hoje na eternidade.

O diálogo entre Frei Betto e Marcelo Gleiser aconteceu no Hotel Santa Teresa, situado no alto das colinas do bairro carioca de mesmo nome, conhecido pelas suas notáveis construções históricas e pelos bondinhos que até pouco tempo circulavam em suas ruas estreitas. Uma imersão de quatro dias, onde a generosidade fraternal foi a característica indissociável dos participantes.

Os diálogos Betto-Gleiser, no livro Conversa sobre a fé e a ciência, estão distribuídos em cinco partes: Apresentação, Trajetórias, Ciência e Fé, O Poder, e Até o Fim (do Mundo, do Universo). Neles há “desabafos” interessantíssimos, que seguramente fariam corar bispinhos e seus pixotes de mentes ananicadas. Desafogos que refletem muita independência analítica. Alguns deles:


Marcelo Gleiser sobre a Matemática: “resolvi aprender matemática; estudei e percebi que a matemática é uma espécie de jogo com uma série de regras; se você segue as regras, aprende o negócio. Tem que ter uma certa disciplina lógica, mas não é nenhum bicho de sete cabeças. Os matemáticos que me perdoem, mas a física é muito mais complicada e a biologia é mais complicada ainda”.

Frei Betto, analisando alguns dogmatismos defensivos: “A Igreja entrou em pânico no momento em que a ciência se tornou independente dela, e esse pânico historicamente vem, de um lado, pela ciência, de outro pelos místicos. Hoje são poucos conhecidos. Sempre à margem, de alguma forma, porque sempre incomodaram o poder. O místico é uma pessoa extremamente livre”.

Beto ainda cita o dogma da infalibilidade papal decretada como um argumento de força por Pio IX, que tamponou o pensamento crítico dentro da Igreja, “castrando o pensamento científico”. E confessa sua imensa paixão por Teresa de Ávila, que, segundo ele mesmo declara, “não é para ser apenas lida, é para ser sorvida”. Uma Teresa nascida em 1515 e eternizada em 1582, que foi autodidata, de formação doméstica, que leu muitíssimo, que escreveu numerosas páginas introspectivas e testemunhais. E que não teve receio algum de enfrentar os episcopais da sua época, como será revelado mais uma vez em 2015, por ocasião do V Centenário do seu nascimento.

Sobre o livro Conversa sobre a fé e a ciência mais não devo revelar, para deixar curiosos os que desejam ampliar sua compreensão sobre as diferenças existentes entre religião, ciência e espiritualidade, esta despontada há cerca de duzentos mil anos, desde o aparecimento do Homo sapiens. Apenas dizer que os dois talentos chegaram às seguintes conclusões: “Um Deus que precisa ser explicado pela ciência acabou” (Betto) e “Pelo lado da ciência também é uma grande bobagem querer explicar Deus” (Gleiser).     

Para todos, uma excelente leitura, nunca esquecendo o que disse, um dia, Eurípedes, um dos mais importantes poetas trágicos da Grécia Antiga: “O traço mais valioso de um homem é o senso crítico sobre aquilo em que não acredita”.

(Publicada em 10/10/2011, no Portal da Revista ALGOMAIS, Recife – PE)
Fernando Antônio Gonçalves
 

Site criado com o sistema Easysite Acadêmico da eCliente.
ECLIENTE INFORMÁTICA