facebook
Aumentar fonte  Diminuir fonte  Indicar esta página  Imprimir esta página
FERNANDO DE NORONHA

De rara beleza, um arquipélago que encanta e seduz. Parte da história brasileira, foi transformado em Parque Nacional Marinho, para resguardar sua fauna, sua flora e a incomensurável beleza dos seus ecossistemas.
Fernando de Noronha é palco para uma aventura inesquecível: o contato com a natureza, a fauna ímpar e a paisagem paradisíaca do ambiente oceânico.
De origem vulcânica, Fernando de Noronha é uma dádiva da natureza  emergida das entranhas da Terra, que ratifica a beleza da Criação, jamais deixando cair no esquecimento fantasias, lendas, fatos e personagens, reais e imaginários.
Chamada de A Esmeralda do Atlântico, Fernando de Noronha é o topo de uma gigantesca montanha submarina, de mais de 4 mil metros de profundidade, erigida sob uma base de 60 quilômetros de diâmetro, resultado de uma fratura acontecida na cadeia mesoceânica, há mais de 12 milhões de anos.
Em torno da ilha principal, de 17 quilômetros quadrados, espalham-se outras vinte ilhas e rochedos de menor porte, configurando um conjunto estreito e alongado, de 10 quilômetros de comprimento, o trecho mais largo não ultrapassando 3,5 quilômetros.
Penhascos, encostas de paredes íngremes, baías abrigadas, praias de areias biodetríticas complementam a beleza selvagem e acidentada das ilhas de Fernando de Noronha.
Considerado um dos melhores pontos de mergulho do mundo, abriga uma vida subaquática de notável esplendor. Para quem deseja desfrutar de visões paradisíacas, escolas de mergulho existem, a maioria delas muito bem equipada. Além de peixes de cores indescritíveis, um mergulho também oferece imagens inesquecíveis de lagostas, arraias e pequenos cações, que a imaginação amplifica, transformando-os em tubarões.
O relevo de Fernando de Noronha é acidentado e montanhoso, destacando-se o Morro do Pico, a proporcionar uma linda vista panorâmica, do alto de seus 323 metros, referencial primeiro para os que chegam por mar, dada sua identificação a mais de 30 milhas de distância. Merecem também ser apreciados o Morro do Francês (198 m), o Morro do Espinhaço (223 m), o Morro da Madeira (172 m), ao leste da ilha, além dos morros da Bandeira (193 m), Dois Abraços (191 m), Quixabinha (151 m) e Branco (49 m), todos situados na parte sudoeste.
Fernando de Noronha possui duas faces distintas e complementares, igualmente belas. A face norte, voltada para a América do Sul, apresenta litoral pouco recortado, sendo conhecida como Mar de Dentro. A face sul, voltada para a África é chamada de Mar de Fora, com encosta muito recortada, sujeita a fortes correntes. No Mar de Dentro, um conjunto de  praias arenosas, separadas por cabos e penínsulas: praia da Biboca, do Cachorro, do Meio, da Conceição, do Boldró - com seu mirante admirável, onde bandas animam festas regadas a reggaes, lambadas e muito forró, até alta madrugada -, do Americano, do Bode, da Quixabinha e da Cacimba do Padre. Nesta face se destaca suas três únicas ilhotas: a da Conceição,  e as ilhas Dois Irmãos, dois rochedos próximos e idênticos.
No Mar de Fora, entre a Ponta da Sapata - onde um curioso buraco na pedra é identificado como o perfil de um golfinho - e a Ponta das Caracas, o litoral se oferece abrupto e rochoso, comportando uma única e belíssima praia, a do Leão, onde as tartarugas põem seus ovos, devidamente protegidas por profissionais do Projeto Tamar..
As águas cristalinas que banham Fernando de Noronha, com temperatura média de 24 graus, sem quase material em suspensão, revela extraordinária transparência, única em todo litoral brasileiro, possibilitando, em algumas ocasiões, uma visibilidade de mais de 35 metros.
A primeira descrição de Fernando de Noronha foi elaborada por Américo Vespúcio, quando da segunda expedição exploratória da costa brasileira, comandada por Gonçalo Coelho. Naufragada a nau capitânia nas proximidades da ilha, em 10 de agosto de 1503, Vespúcio e seus homens dirigiram-se à ilha em busca de provisões e ancoradouros seguros para as outras embarcações. Do episódio, surgiu o relato de Vespúcio, contido na Quarta Carta ao Amigo Piero Soderine, Gonfaloneiro de Veneza, que retrata a primeira descrição da fauna e da flora de Fernando de Noronha. 
A Coroa portuguesa, embora sabedora da existência da ilha, só veio a ocupar Fernando de Noronha após o relato de Vespúcio, doando-a ao financiador da excursão, o cristão-novo e fidalgo da casa real Fernão de Loronha, um rico armador, que mais tarde se tornou o maior arrendatário da extração de pau-brasil.
O primeiro registro da presença de habitantes em Fernando de Noronha foi escrito em 1602, pelo português Melchior Estácio do Amaral, que lá encontrou um feitor, treze escravos e alguns animais de criação. Dez anos depois, frei Claude d’Abberville, componente de uma expedição que se dirigia ao Maranhão, descreve a pequena comunidade que habitava a ilha e analisou os cultivos existentes. Após quinze dias de permanência, levou para o continente todos os habitantes, deixando a ilha abandonada.
Em 1628, Noronha passou a fazer parte da estratégia holandesa de ocupação do território brasileiro, lá aportando os iates Otter e Hawick, sob o comando de Cornelis Cornelizoon Pol, cognominado de Perna de Pau. Lá, os holandeses permaneceram até 1630, quando foram expulsos pelo capitão Rui Calaza Borges, que comandava de quatrocentos homens e sete caravelas.
Em 1635, os holandeses voltaram a ocupar Fernando de Noronha, na época conhecida por Povônia, lá permanecendo por dezenove anos, até quando, em 1654, a Coroa portuguesa restaurou o domínio sobre Pernambuco e as demais capitanias brasileiras. Como a Coroa não apresentasse planos concretos de ocupação e defesa, a ilha tornou-se refúgio de piratas e corsários, para reabastecimento de água e lenha.
Em 1700, finalmente, El-Rei D. Pedro II entregou a posse do arquipélago à capitania de Pernambuco, retirando da família Loronha o direito de exploração.
Em 1736, expulsos os holandeses, para lá seguiram um engenheiro, dois capelães, um cirurgião, oficiais mecânicos, botica e camas para doentes, animais de criação e sementes. Foram construídos dez fortes, dois no Mar de Fora, já devidamente protegido pelos penhascos,  e os demais no Mar de Dentro, dada sua vulnerabilidade. Surgiu o primeiro núcleo urbano, a Vila dos Remédios, com a igreja de Nossa Senhora dos Remédios. Uma configuração urbana que ficou inalterada por quase dois séculos.
Transformada em colônia correcional, para onde eram enviados os criminosos de Pernambuco, já em 1760, Carl Ekeberg, um integrante da Companhia Sueca das Indias Ocidentais testemunhava, em Noronha, a presença de mil habitantes: quatrocentos soldados e seiscentos presos.
Um ano após a independência do Brasil, 1823, Fernando de Noronha foi transformado em presídio militar, encarcerando os envolvidos nas diversas revoltas ocorridas contra o regime, de 1824 a 1877. A ilha foi considerada a Prisão Central do Império até 1891, dois após a proclamação da República, quando voltou a pertencer a Pernambuco.
Em 1910, foi inaugurada a Estação Radiotelegráfica da Marinha, em Fernando de Noronha, desempenhando papel fundamental nos primórdios da história da aviação no Atlântico Sul. Em 1922, os portugueses Gago Coutinho e Sacadura Cabral lá fizeram escala com avião Lusitânia, quando da primeira travessia do Atlântico Sul.
Em 1938, por solicitação do presidente Getúlio Vargas, a ilha voltou a ser cedida à União, para lá sendo deportados os opositores do Estado Novo. Os arquivos revelam: só nos primeiros dois meses, foram transferidos mais de seiscentos presos políticos. Até 1942, a ilha serviu de presídio político.
Atualmente, dos 1900 habitantes, apenas 26% são nativos, o restante se constituindo de funcionários público e pessoas atraídas pela atividade turística. A ilha possui pouco mais de quatrocentas casas, muitas delas se transformando em pousadas na ata estação, posto que estão proibidas novas construções. 
Já considerado, em 1980, como “área de alta prioridade para a conservação”, no arquipélago foi criado o Parque Nacional Marinho de Fernando de Noronha, totalizando 11.270 hectares, dividido em duas zonas, a marinha e a terrestre, a primeira representando 85% do total do parque. Objetivos do Parque: proteger amostras representativas dos ecossistemas terrestre e marinho; preservar a fauna, a flora e demais recursos naturais; proporcionar oportunidades para visitação, lazer, educação ambiental e pesquisa científica; contribuir para a preservação dos sítios históricos. Na área do Parque é proibido pescar ou praticar caça submarina, introduzir animais e plantas; abater e alimentar animais; alterar a vegetação, coletar conchas, corais, animais e pedras; acampar e pernoitar; pichar ou fazer inscrições. Tais limitações, entretanto, não chegam a incomodar os visitantes, posto que todos tornam-se muito conscientes da necessidade de ver perpetuado um ambiente natural de tamanha beleza.
A existência de animais e plantas nativos em ilhas oceânicas, de formação recente e que jamais estiveram ligadas ao continente, ainda é um enigma para a ciência. O fenômeno de ocupação desses lugares remotos torna-os laboratórios importantíssimos para a reflexão e o estudo sobre a origem e dispersão das espécies.
Em Fernando de Noronha, a fauna terrestre não é tão exuberante e colorida quanto a marinha, chamando a atenção, no entanto, a quantidade e a variedade de aves, que proporcionam um movimento especial ao cenário insular. Principalmente com a participação das aves migratórias que adotam a região como escala de descanso para suas longas viagens.
Com a chegada do ser humano no Arquipélago, três espécies terrestres foram introduzidas, lá se adaptando perfeitamente:  o galo-de-campina, o chorão e o canário-da-terra-verdadeiro.
Dentre as aves marinhas, a maior simpatia recai sobre os mumbebos ou atobás. Parentes dos pelicanos, eles costumam saudar os visitantes com assovios e outras vocalizações. Uma adaptação do bico possibilita um mergulho de até cinco metros na captura de peixes e lulas.  
Ainda em Fernando de Noronha, uma ave muito conhecida em todo litoral brasileiro: a catraia, também chamada de fragata, tesourão ou alcatraz. Alimenta-se dos peixes sem mergulhar, pois suas asas não possuem capacidade impermeabilizadora.
As gaivotas seduzem pela beleza e elegância dos seus vôos. Se alimentam de sardinhas e constroem seus ninhos com algas coletadas na superfície da água.
Observar as graciosas evoluções dos golfinhos é uma das maiores atrações de Fernando de Noronha. Os mamíferos mais simpáticos do mar deslumbram e deixam saudades.
Com o sol brilhando em mais de 300 dias por ano, a temperatura chega fácil aos 35 graus, nos dias de verão. Short, calção, biquíni e tangas, eis os trajes mais encontrados, numa descontração que amplifica a felicidade dos visitantes, num clima nunca abafado.
O entardecer em Fernando de Noronha é indescritível, principalmente se visto das ruínas do Forte Nossa Senhora dos Remédios. Um pôr-de-sol que enebria, acalma e acalenta sonhos e esperanças, reenergizando todos.
 
 
 
Fernando Antônio Gonçalves
 
(*) Texto publicado num site sobre o arquipélago
 
 

Site criado com o sistema Easysite Acadêmico da eCliente.
ECLIENTE INFORMÁTICA