facebook
Aumentar fonte  Diminuir fonte  Indicar esta página  Imprimir esta página
FATÍDICAS COINCIDÊNCIAS
 Pouca gente sabe, mas em 1898, um autor pouco conhecido de nome Morgan Robertson escreveu um romance sobre a tragédia acontecida com um transatlântico fabuloso, repleto de ricaços e socialites, que afundou numa noite gélida de abril, após bater de frente com um iceberg. O livro, denominado Futilidade, foi editado por uma empresa de propriedade de M.F. Mansfield. 

Alguns anos mais tarde, precisamente 14, a companhia de navegação britânica White Star Line construiu um transatlântico incrivelmente similar ao afundado. Tinha 66 mil toneladas de deslocamento, o outro 70 mil, com 269 metros de comprimento, o afundado 244. Ambos possuíam hélices triplas e podiam atingir de 24 a 25 nós, com capacidade para cerca de 3 mil pessoas, os botes salva-vidas sendo apenas suficientes para uma parte delas. E ambos foram rotulados de inafundáveis.

O que aconteceu com o navio real é relatado no livro Uma noite fatídica: o clássico relato das horas finais do Titanic, de Walter Lord, editora Três Estrelas, 2012; na noite de 14 de abril de 1912, quatro dias depois de zarpar de Southhampton, Inglaterra, o navio colidiu com um iceberg, indo a pique, vitimando mais de 1500 passageiros e tripulantes nas águas gélidas do Atlântico, em sua primeira e última viagem. E com eles, cinco pianos de cauda, oito mil garfos de jantar, um automóvel, uma central telefônica de cinquenta linhas, vinte e nove caldeiras, um exemplar cravejado de pedras preciosas do Rubaiyat, de Omar Hhayyan, entre outras milhares de jóias, pulseiras e relógios. 

Decidindo fazer um relato sobre o desastre, o autor, em 1950, localizou mais de sessenta sobreviventes, além de dezenas de pessoas envolvidas com o naufrágio. O livro, tornado público em 1955, logo tornou-se fenômeno editorial nos Estados Unidos, sendo considerado, até hoje, o mais verídico texto sobre o acontecido, quer pela precisão das apurações feitas, quer pela acuidade analítica do autor. O texto versa sobre pessoas que participaram da construção e viagem do Titanic, sendo um livro que nunca será superado.

Na introdução à edição do quinquagésimo aniversário, o escritor americano  Nathanael Philbrick, laureado várias vezes, afirma que o fascínio do público pela tragédia do Titanic ainda não ofereceu sinais de declínio, sendo o livro do Lord uma leitura imperdível, posto que permanece o relato definitivo do desastre, o autor definindo o afundamento do portentoso navio como “a maior notícia dos tempos modernos: o maior navio do mundo, proclamado inafundável, bate em um iceberg na viagem inaugural e afunda, levando com ele muitas das grandes celebridades da época”. E considera que foram três os assuntos sobre os quais mais se escreveu em todos os tempo: Jesus, a Guerra Civil e o Titanic.

O livro de Lord descreve, sem as espetaculosidades noticiadas pelos meios de comunicação XXI, os atos heróicos e os gestos pusilânimes, as grandezas e as mediocridades de tripulantes e passageiros, os menosprezos para quem estava instalado na terceira classe, além de outras múltiplas informações sobre o navio e seus passageiros e tripulantes, a bravura do navio de resgate  Carpathia e a covardia dos oficiais do navio California, fazendo do Titanic “uma paródia de si mesmo – toda pompa e circunstância reduzidas a um ostensivo fracasso diante do avanço do mar”. No livro, Lord narra com incontida emoção a coragem impulsiva do quinto oficial do Titanic, Godfrey Harold Lowe, no bote salva-vidas 14, o único tripulante a retornar para o navio para procurar sobreviventes. 

Leitura imperdível, a de um livro que trata da última noite de uma pequena cidade flutuante.

(Publicado no Jornal do Commercio, Recife, Pernambuco, 14.06.2013)  
Fernando Antônio Gonçalves
 
 

Site criado com o sistema Easysite Acadêmico da eCliente.
ECLIENTE INFORMÁTICA