facebook
Aumentar fonte  Diminuir fonte  Indicar esta página  Imprimir esta página
DESAFIOS DA ACADEMIA
Leituras várias ampliaram minha “enxergância” sobre os atuais problemas do ensino superior brasileiro, que se encontra fortemente debilitado pelas alterações tecnológicas, sociais e econômicas acontecidas nos últimos quarenta anos, também desafiado diante das sequelas da atual crise financeira mundial, desestruturadora por derradeiro.

Os desafios do terceiro grau de ensino estão a exigir um aprender-desapreender-reaprender continuado, intrinsecamente dialético, intensamente binoculizador, mais que nunca multidisciplinar, levando na mais elevada consideração a “fotografia” feita por Cláudio de Moura Castro sob um ângulo muito sincero: “O ensino superior brasileiro é confuso e variado. Há cursos bons e cursos péssimos. Os cursos bons são prejudicados por serem tratados de cambulhada com os péssimos. E os péssimos não podem ser consertados com o remédio dos bons. Pior, há cursos que poderiam ser bons se fossem tratados como precisam. Há imensa diversidade no ensino superior, daí  a grande necessidade de um tratamento diferenciado, em vez de fingir que são todos iguais”.     

Os analistas cidadanizados estão convergindo para dois pontos considerados indissociáveis para a melhoria do ensino superior. O primeiro vincula-se à importância da educação fundamental, considerada estratégica nos países comprometidos com um desenvolvimento socioeconômico sustentável. Um segundo, atrelado umbilicalmente ao primeiro, se relaciona com a revalorização do processo de ensino-aprendizagem, concentrando-se num soro caseiro lê-escreve-conta-e-pensa eficaz, excelente fomentador do binômio cidadania-profissionalidade. 

Temos que reconhecer, com a humildade dos que buscam modificar o atual estado de coisas, que a Universidade Brasileira está aquém dos padrões mínimos de excelência internacional. O atual momento nacional, onde milhões de brasileiros ultrapassaram a linha da miséria, exige alavancagens efetivas, capazes de superar os muitos ontens navegados com irresponsáveis alienações.

A posição da atual classe média brasileira será decisiva para os destinos pátrios, às vésperas de horizontes mundiais ainda pouco definidos. Lamentavelmente, nas décadas últimas, a classe media brasileira tem vivido acorrentada a duas visões equivocadas. A primeira, quando defende privilégios despropositados de um sofisticadíssimo consumo, como se ele fosse benéfico para o todo nacional. A segunda, mais alienante ainda, é a de exigir sacrifício dos privilegiados de sempre, como se eles estivessem dispostos a desprendimentos solidários para com os menos favorecidos. 

Uma pós-modernidade sadia deve reincorporar as vantagens das relações perdidas, dos gostos relegados, dos níveis culturais despedaçados por um consumismo asneirento dos endinheirados de final-de-semana, culturalmente apatetados, presas fáceis dos preocupados tão somente com o amealhado nos seus cofrinhos. Que deveriam estar mais atentos diante de um notável provérbio iídiche: "Para o verme num rabanete, o mundo inteiro é um rabanete".

Parece estar com seus dias contados, pelo menos nas instituições não caça-níqueis, a era de um espúrio compadrio docente/discente, sempre prejudicial aos melhores alunos, todos nivelados por baixo. O mérito não deve ser menosprezado jamais numa vida acadêmica. Os salários devem ser compensadores, as pósgraduações, sem os pernósticos phdeísmos, estimuladas, as bibliotecas ampliadas e atualizadas, a atenção com o derredor comunitário redobrada, sem os assistencialismos baratos nem os populismos cavilosos que apenas engabelam os abobados e os academicamente abiotróficos.

Resguardadas as individualidades e abjurando os individualismos, faz-se mister um repensar do ensino superior brasileiro, apreendendo com eficácia a advertência de Ortega y Gasset, um espanhol de notável saber:  "Como  é possível as rãs discutirem sobre mar , se  nunca sairam do brejo?". Nós, às vezes, no ensino superior, ficamos muito seguros dos aprendizados do passado. E sentimo-nos bem fundeados sobre coisas que aprendemos quando éramos moços, hoje perdendo o bonde da história. Porque o bonde sempre está em movimento e com uma velocidade cada vez maior. E quando as pessoas perdem tal bonde, começam só a olhar para o passado, nostálgicas, sem qualquer reoxigenação. 

Em Pernambuco, inúmeros já estão conscientes de que o inimigo maior somos nós mesmos, com a capacidade de muitos de azedar tudo, desde que a vitória e o sucesso não sejam deles. Uma tradição perversa, mórbida, que nos foi legada por ancestrais certamente muito mal acostumados. Que desconheciam a existência das forças motivadoras que impulsionam os empreendimentos bem sucedidos: o trabalho participativo, o sistema de reconhecimento, o comportamento racional, a força da emoção e a eficácia de um lastro cultural.

O educador baiano Anísio Teixeira posicionava-se admiravelmente : "Eu não tenho responsabilidade nenhuma com as minhas idéias. Eu tenho, sim, uma responsabilidade com a verdade". Quem tem esse grau de maturidade, sabe caminhar. Quem não tem, apenas continua sobrevivendo mal, atrelado ao  me-disseram antissocialmente mundano. E desfilando no Galo da Madrugada, no sábado de Zé Pereira, na turma do tabaco leso.

PS. A minha apreendência educacionaL muito se ampliou após uma manhã de bate-papo técnico com o prof. Antônio Carlos Maranhão de Aguiar, Secretário do Trabalho, Qualificação e Empreendedorismo de Pernambuco, uma das pilastras vigorosas do dinâmico governador Eduardo Campos.

(Publicada em 27/02/2012, no Portal da Revista ALGOMAIS, Recife – PE)
Fernando Antônio Gonçalves
 

Site criado com o sistema Easysite Acadêmico da eCliente.
ECLIENTE INFORMÁTICA