facebook
Aumentar fonte  Diminuir fonte  Indicar esta página  Imprimir esta página
COMBATE AO REICH
Numa aula do professor Benjamin Ginsberg, especialista USA em povo judeu, aluno manifestou estupefação diante da não resistência judaica frente à política alemã de extermínio. O questionamento se baseava no historiador Raul Hilberg: “O padrão de reação dos judeus é caracterizado pela quase completa falta de resistência. Medida em termos de baixas alemãs, a oposição armada judaica se reduz à insignificância”. 
 
Respondendo, o professor Ginsberg declarou que os judeu tinham não apenas resistido mas desempenhado tarefas importantes na derrota da Alemanha nazista, a questão maior se reduzindo em saber onde a comunidade judaica lutara e que meios tinha utilizado. Uma resposta que induziu o notável pesquisador na elaboração do livro Judeus Contra Hitler – Destruindo o Mito da Passividade Judaica Perante o Nazismo, SP, Cultrix, 2014. Um trabalho que mereceu a seguinte opinião do historiador Donald M. McKale , autor dos livros Hitler’s Shadow War, Hitler – The Survival Mith, Nazis After Hitler e The Swastika Outside Germany: “Um estudo muito bem escrito e desenvolvido de modo convincente que mostra a resistência vigorosa e eficiente dos judeus ao nazismo. Benjamin Ginsberg fez uma pesquisa abrangente em fontes militares, políticas, econômicas, científicas, de inteligência e culturais. O resultado é uma síntese que conduz a uma leitura fascinante, mostrando como e por que a resistência e oposição judaica aos nazistas manifestaram-se numa série de cenários tanto dentro quanto fora do território de ocupação alemã. Uma análise primorosa de um assunto importante – e uma contribuição original a esse tema”.               
 
A resistência dos judeus se deu em quatro grandes cenários: servindo como membros das tropas soviéticas, como engenheiros, projetando e construindo muitas armas soviéticas, incluindo o famoso tanque T-34; como soldados nas forças armadas dos EEUU, assessorando o governo Roosevelt na construção da bomba atômica; nos serviços de inteligência (na criptoanálise, primordialmente); e assumindo papéis significativos nos movimentos europeus de resistência antinazista.
 
O autor levanta, na Introdução, dois pontos: a resistência judaica teve ação cumulativa, jamais coletiva, consistindo em múltiplos grupos sem uma mínima coordenação; a “resistência” judaica se manifestou em cenários diversos, também havendo resistências organizadas nos guetos de Varsóvia, Minsk, Vilna e Bialystock, além de revoltas nos campos de extermínio de Treblinka, Sobibor e Auschwitz, embora muito rapidamente sufocadas pelos alemães.
 
Com honestidade, Ginsberg reconhece que “nos guetos e campos de morte, esperando salvar suas vidas e as de seus familiares, o número de judeus  que cooperaram e mesmo colaboraram com os alemães foi maior que o número dos que resistiram. E como poderia ser diferente?
 
Histórias sombrias existiram, no gueto de Lodz por exemplo, sem desmerecer as bravuras praticadas mundo a fora. Todas muito bem detalhadas no livro do Ginsberg. Que vale como leitura esclarecedora.
 
(Publicado em 22.08.2015, no Jornal do Commercio, Recife, Pernambuco)
Fernando Antônio Gonçalves
 

Site criado com o sistema Easysite Acadêmico da eCliente.
ECLIENTE INFORMÁTICA