facebook
Aumentar fonte  Diminuir fonte  Indicar esta página  Imprimir esta página
BÍBLIA JUDAICA COMPLETA
No final de 2007, meu irmão Arão Parnes me presenteou com um Novo Testamento Judaico (B’rit Hadashah), da editora Vida. Uma tradução do original hebraico para o inglês de David Stern, cabendo a Rogério Portella a versão para o nosso idioma. Como o Novo Testamento é um livro judaico, torna-se oportuno restaurar a judaicidade dele, textos escritos por judeus e aceitos por judeus e não-judeus, onde uma denominação Judeus por Jesus une duas ideias aparentemente incompatíveis,  ainda consideradas dissociadas para os ortodoxos.

Em agosto do ano passado, 2010, a editora Vida volta a ser pioneira, lançando a Bíblia Judaica Completa (Tanakh e a B’rit Hadashah), também traduzida do original hebraico para o inglês por Stern, cabendo a Rogério Portella e Celso Eronides Fernandes a tradução da língua inglesa para o português, já em conformidade com o Acordo Ortográfico vigente desde 2009.

Alguns esclarecimentos são oferecidos pelo David Stern, em uma Introdução por demais compreensível. A Bíblia Judaica Completa é a única versão em português de estilo e apresentação completamente judaicos, as informações necessárias para a leitura da Torah e dos Profetas integradas ao uso da B’rit Hadashah. E é o próprio Stern que esclarece: “Sou judeu; fui criado na religião judaica por pais judeus. Apenas aos 37 anos de idade passei a crer no Messias judeu, Yeshua. Percebi que o maior cisma é o existente entre a igreja e o povo judeu. Apesar de meu doutorado ser na área da economia, voltei aos bancos escolares para aprender  mais a respeito do cristianismo (Fuller Theological Seminary) e do judaísmo (University of Judaism). Fiz a tradução do Novo Testamento a partir do texto grego original. Principiei traduzindo o Novo Testamento Judaico, para posteriormente finalizar o Comentário Judaico do Novo Testamento (editora Atos, São Paulo, 2008)”.

Foram quatro os propósitos de David Stern para a concretização da Bíblia Judaica Completa: a. Restaurar a judaicidade unificada da Bíblia, salientando que os livros da Nova Aliança são todos judeus; b. Apresentar a Palavra de Deus numa linguagem moderna e agradável, de fácil leitura, minimizando as diferenças entre o ambiente original e o tempo presente; c. Possibilitar o uso da Bíblia Judaica Completa em sinagogas messiânicas e sinagogas não-messiânicas; d. Apresentar num único volume a versão toda da Bíblia.

A leitura da Bíblia Judaica Completa torna-se imprescindível para todos aqueles que, judeus ou não-judeus, buscam entendê-la como “um conjunto de expressões de vida, de testemunhos de vivências históricas e de fé”, utilizando a definição elaborada por Eduardo Arens, PhD em Teologia e autor do muito elogiado A Bíblia Sem Mitos – Uma Introdução Crítica, editora Paulus, 2007, onde ele ressalta também que “valorizar a dimensão humana da Bíblia não é tirar-lhe a sacralidade, mas, sim, situá-la em nosso mundo, onde se originou”. Em outras palavras: inspirada por Deus quer significar textos escritos por seres humanos, historicamente situados e datados, com suas muitas limitações e múltiplos condicionamentos.

Faz bem ter sempre ao alcance da mão o Livro Sagrado. Para entender melhor os parâmetros externados sob inspiração divina para a construção do Reino para todos nós, sem acepção de qualquer espécie.      

(Publicado no Jornal do Commercio, Recife, Pernambuco, 29.06.2011)
Fernando Antônio Gonçalves



 

Site criado com o sistema Easysite Acadêmico da eCliente.
ECLIENTE INFORMÁTICA