facebook
Aumentar fonte  Diminuir fonte  Indicar esta página  Imprimir esta página
AUTARQUIAS MUNICIPAIS, 2011-2014
Os desafios das autarquias municipais de ensino superior brasileiras, a partir do ano próximo, não podem ser contaminadas pelas posturas viróticas que estão afetando uma graduação século XXI que deveria ser competente, criativa e socialmente responsável. Tais viroses podem ser explicitadas através de seis grandes categorias: 1. as voltadas somente para o passado, enfatizando a reprodução e a memorização; 2. as que admitem apenas uma única resposta, cultivando-se o medo do erro e do fracasso; 3. as que valorizam a incompetência, a ignorância e a baixa-estima, incentivando o bajulismo oportunista e a hipocrisia; 4. as que menosprezam o autoconhecimento; 5. as que não desenvolvem novas habilidades e iniciativas; 6. as que abandonam os sonhos e as utopias empreendedoras, em nome de um bur(r)ocratismo enervante e decrépito.

No Brasil, inúmeros dirigentes de autarquias municipais de ensino superior há muito já perderam a capacidade de acompanhar a evolução dos seus diferenciados ambientes por acomodação pessoal, por desconhecimento dos ontens semeadores ou por “enxergâncias” débeis, muitas vezes machistas e populistas, como se o hoje fosse apenas constituído de subordinados seus,  cabras cegas sem qualquer cidadania, sem engenhosidade nem busca de autonomia e libertação. Avessos às posturas dialógicas, tais dirigentes nunca ouviram falar de uma famosa recomendação do poeta português Fernando Pessoa, que muito bem se antecipava aos amanhãs que se avizinhavam: “Para vencer – material e imaterialmente – três coisas definíveis são precisas: saber trabalhar, aproveitar oportunidades e criar relações”. 

Quais os principais obstáculos que estão afetando um sem-número de direções das autarquias municipais de ensino superior do Brasil, independentemente das choramingações por mais recursos financeiros, como se estes fossem os únicos salvadores do pedaço? Creio que os principais óbices podem ser englobados em quatro categorias. E o primeiro deles se relaciona com o estado de subdesenvolvimento mental dos dirigentes, portadores de um nível mínimo de ousadia empreendedora, sempre preferindo acatar a tática defensiva do avestruz, quando não buscando usar anel de ouro em focinho de porco. Um segundo obstáculo diz respeito a uma rejeição férrea na utilização de binoculizações desbravadoras proporcionadas pelas aprendências e apreendências potencializadoras do derredor social, desapercebidos da advertência feita por William Blake: “A árvore que o sábio vê não é a mesma árvore que o tolo vê”.  

Um terceiro obstáculo está sempre vinculado às resistências sutis em ampliar a profissionalidade cidadã de funcionários, professores e alunos da instituição. Parodiando Érico Veríssimo, pode-se dizer que há duas espécies de dirigentes de autarquias municipais de ensino superior: os que administram para fugir e os que administram para buscar. Os primeiros, temerosos dos desafios, não querem alterar nada. Os segundos, caçadores de soluções efetivas, sempre estão conscientes da inexistência de casualidades, as causalidades devendo ser captadas para um bussolar de eficácia sementeira. E estes estão atentos à lição do notável Rubem Alves: “Em terra de urubus diplomados não se ouve canto de sabiá”.

O quarto impedimento se encontra numa historinha de dois ursos que caíram numa armadilha e foram transportados para um circo. O primeiro, mais atilado que o segundo, aprendeu logo a se equilibrar na bola e andar de bicicleta, o retrato dele logo aparecendo no noticiário local, recebendo muitos aplausos. O outro, sempre BB (burrão e babaca), ficava amuado pelos cantos, sem dar qualquer sinal de aprendizado. Chamado o psicólogo do circo, o dignóstico foi dado: “Inútil insistir. O QI é muito baixo”. Na falência do circo, os dois ursos voltaram para a floresta. E o tido como de QI baixo voltou a dominar a cena, enquando o outro esqueceu seus ontens, servindo apenas para outros circos. A lição cabe perfeitamente em muitos dirigentes de autarquias municipais de ensino superior: desejam falar para o mundo com muitas modernosidades cavilosas, sem atentar para a urgência de desenvolver o seu derredor municipal, a partir de uma sólida educação básica alicerçada numa criticidade evolucionária essencialmente libertadora.

Para os dirigentes “pinóquios”, que adoram os pronunciamentos sisudos e repletos de baboseiras e arrotagens fictícias, sempre desejando explicitar o real pelos óculos da fantasia, é bom desde já saber que o mote dos próximos anos será “Saber bem bussolar para não irreversivelmente se disleriar (abestalhar-se)”. Chegar às raízes do problema não se faz instantaneamente, exigindo maturidade dialogal e zero por cento de dogmatismo, sempre entendendo que o melhor caminho se faz andando com a participação de todos.

Para os dirigentes das autarquias municipais de ensino superior do Brasil, a reflexão de Marcolino Revoredo da Silva, o Doutor Marcolino, da obra memorável do médico-escritor José Nivaldo, um cobrão nas letras e diagnósticos médicos: “A doutor nunca cheguei, mas tangi com as leituras a escuridão da ignorância, fazendo aprendimento que sempre gostei”.

PS. Que cada estado brasileiro crie o seu PROAM – Pró-Autarquias Municipais, incentivando superações corretivas técnicas, pedagógicas e financeiras, com direitos e deveres de ambos os lados e supervisão, orientação e fiscalização promovidas pelas respectivas Secretarias de Estado, a partir das  apreciações analítico-deliberativas dos seus Conselhos Estaduas de de Educação e dos respectivos Ministérios Públicos e Tribunais de Conta.

Fernando Antônio Gonçalves é professor universitário e pesquisador social
(Publicada em 09.12.2010, no Portal da Globo Nordeste, blog BATE & REBATE)

 

Site criado com o sistema Easysite Acadêmico da eCliente.
ECLIENTE INFORMÁTICA