facebook
Aumentar fonte  Diminuir fonte  Indicar esta página  Imprimir esta página
ATO DEVOCIONAL
  Quando do regresso do Hospital Santa Joana, onde foi submetida a mais uma sessão de quimioterapia no setor comandado pelo notável oncologista Évyo de Abreu e Lima, Melba e eu recebemos dois presentes do amigo muito estimado José Paulinho Cavalcanti Filho, um prodigioso talento pernambuco, intelectual e jurídico, da Academia Pernambucana de Letras, brevemente ocupando outros degraus intelectivos.

Especializado em Fernando Pessoa, eis que os presentes são relacionados aos seus estudos pessoanos: o primeiro é o audiolivro Fernando Pessoa – uma quase autobiografia, prêmios Jabuti, Bienal do Livro de Brasília, Revista Algomais, José Ermírio de Morais (ABL) e Dario Castro Alves (Portugal). Narrado pelo jornalista Silio Boccanera, correspondente da Globo News em Londres, e tendo como voz de Fernando Pessoa o renomado ator português Ricardo Pereira, dois apaixonados pelos escritos do poeta. O audiolivro ainda traz um presente complementar: algumas poesias de Fernando Pessoa recitadas pelo poeta Ferreira Gullar, além de um papo sem complicações intelectivas com o próprio Sílio Boccanera. 

O segundo mimo enviado pelo José Paulinho Cavalcanti é sua última criação literária: Fernando Pessoa: o livro das citações, Rio de Janeiro, Record, 2013. Um ato de devoção do ZéPaulinho ao poeta luso, sobre quem definia Octávio Paz que “a sua obra (de Pessoa) é a sua biografia.” Um magistral poeta, Octávio Paz, que não testemunhou a publicação de uma “Quase Autobiografia” do Pessoa, impecável trabalho de José Paulo Cavalcanti Filho, de quilates incontáveis. 

Fernando Pessoa: o livro das citações, de lançamento propositadamente datado de 13 de junho de 2014, homenageando o poeta luso que gostava de datar seus escritos ou punha neles datas falsas. O livro recém lançado é dedicado ao seu amado pai, um jurista de fino trato e excepcional inteligência, cujo neto mais velho José, filho do autor, foi o responsável pelos incentivos para que frases pessoanas fossem escritas sobre diversos assuntos.

Relembrando o notável luso, afirmo-lhe, querido José Paulinho que o amigo foi também educado pela imaginação, viajando inteligentemente pela mão dela sempre, sem também perder jamais a vontade de ser um profissional altamente qualificado. E digo-lhe que o poeta já dizia que “todo hoje tem um amanhã”. E os seus amanhãs serão ainda maiores, para a glória desta terra de altos coqueiros. 

A apresentação do livro é pra lá de magistral. Do próprio José Paulo Cavalcanti Filho, que outro dia, no Chiado, em Lisboa, viu o Pessoa em pessoa, embora a Lectícia, ao seu lado, sua Inspiração, insistisse que era apenas um sósia. Mas ela não entende nadica de fantasmas, Zé, embora imortal também seja.

(Publicado no Jornal do Commercio, Recife, Pernambuco, 15.11.2013 
Fernando Antônio Gonçalves

 

Site criado com o sistema Easysite Acadêmico da eCliente.
ECLIENTE INFORMÁTICA