facebook
Aumentar fonte  Diminuir fonte  Indicar esta página  Imprimir esta página
ASSEMBLÉIA DOS TESTAMENTOS
 A convocação chegou em papel especial e exigia a presença de todos: a turma do Forte Apache, Zé Carioca e o Donald com os demais patos seus sobrinhos, o John Wayne com seus brigadores, a turma da floresta, incluindo Bambi, e o cavalo de Tróia, com gente tida como transpirando suspeita por todos os poros. O objetivo era um só: ampliar a dignidade das discussões e debates sobre temas polêmicos, evitando-se as cocadas de sal que bem não fazem a cristão de hombridade.
 No palco das autoridades, como pano de fundo, uma faixa enorme dizia Maldito o que faz com negligência o trabalho do Senhor! (Jr 48,10). E de cada lado, duas outras citações: a primeira proclamava Que a tua mão esteja comigo, guardando-me de males e livrando-me de dores (1Cr 4,10), enquanto a segunda continha Tudo me é permitido, mas eu não deixarei que nada me domine (1Co 6,12).  
 Composta a mesa, o de barbas branquinhas a presidia. Ao seu lado direito, um jovem de personalidade cativantemente forte, aparentando uns trinta e poucos anos. Do outro lado, um senhor de muitos quilômetros percorridos, embora dotado de impressionante energia revitalizante, como se o hoje já fosse do seu pleno conhecimento, tudo muito bem captado pelo seu cabelo engomado, eriçado em forma de chama. Nas demais cadeiras, uma senhora muito meiga, olhar atento ao que se passava na platéia; um senhor bem idoso, de cajado, a portar camisa com o impresso Só o amor constrói; um judeu baixinho, invocadíssimo, tido como aluno de Gamaliel; e um de nome Cefas, que tinha tido uma função deveras significativa no Concílio de Jerusalém, tempos primeiros.
 A platéia era composta de gente de toda espécie. Sérios, obreiros, missionários, coerentes, convertidos e bem intencionados eram maioria esmagadora diante dos fingidos, ananicados, metidos a sério, hipócritas e puxa-sacos, uma minoria que só queria ver o circo pegar fogo. Sem qualquer criticidade, mais emoção que bom senso, ansiavam pela chegada dos quinze minutos de fama na produção de um alarido dos brabos, desses que às vezes deixam os conscientes com uma vontade danada de retrucar raivosamente.
 Cumpridas as formalidades de praxe, coube ao presidente da Mesa Diretora a Fala Máxima: Vivemos instantes históricos encruzilhadais. Preservar a identidade dos testamentos que nos balizam é o que nos importa atualmente. Entendam de uma vez por todas que  cada  linguagem é bastante desobediente, e que ainda não se inventou uma vacina que a proteja de equívocos e mal-entendidos. Percebam que  o principal valor ético é o da bondade, as reticências explicitadas por omissões, intenções débeis, fuxicarias ou ânsias de poder, nada devendo ser próprio para uma sempre buscada conduta cristã ilibada. Não iremos muito longe se perseverarmos nos conduzindo,  de precariedade em precariedade, tentando descobrir piolho em casca de ovo. Nunca se olvidem de um fato: a narração e a argumentação constituem a irrenunciável tarefa metodológica de qualquer teologia. Convém, mais que nunca, serenar e buscar o lado positivo das coisas, nunca se esquecendo que o homem é algo muitíssimo mais valioso que um breve parêntese entre duas obscuridades, a do nada, de onde ele veio, e a do sepulcro, para onde seu corpo se encaminhará. Todo homem que se leva a sério postula o futuro, somente aplacando sua inquietude quando adentrar no último porto, a Minha Casa. Inútil é querer pontificar as modalidades de ser fiel a Mim, pois cada um vive como pode. Viver a meu favor e do lado deste Jovem que sempre foi Eu é muito arriscado. Como também viver sem menosprezar ninguém, pois atire a primeira pedra quem nunca maculou qualquer um dos balizamentos da Criação.
 Cabisbaixos, os da platéia perceberam-se miúdos, envergonhados das suas pequenezas, entristecidos com suas ânsias de poder e de permanecer assalariado a qualquer preço. Aberta a palavra aos participantes, ouviu-se um uníssono: Eu pecador ...

 

Site criado com o sistema Easysite Acadêmico da eCliente.
ECLIENTE INFORMÁTICA