facebook
Aumentar fonte  Diminuir fonte  Indicar esta página  Imprimir esta página
AMPLIANDO SABERES
 Qualquer empreendedor que se deseja ver respeitado já ouviu falar de Salman Khan, um engenheiro que se apaixonou pelo ensino quando principiou ensinar álgebra a uma sobrinha ainda criança. E que se transformou num fenômeno mundial, criando vídeos no YouTube. 
Um lançamento 2013 da Intrínseca merece ser lido pelos que buscam a qualidade de vida do planeta: Um Mundo, Uma Escola – A Educação Reinventada, Salman Khan. Mostra como é possível obter educação gratuita e de padrão internacional em qualquer região do planeta. Hoje, seus quase 4.000 videos são utilizados por milhões de pais, professores e alunos. Seu modelo de ensino está presente em milhares de salas de aula.  
No livro, Khan explicita sua visão sobre o futuro da educação, revisando princípios e propondo revolucionar um sistema que se originou há mais de 200 anos. Abjurando métodos massacrantes e cronogramas rígidos, ele pugna por uma sala de aula tornada espaço para interações múltiplas, sempre valorizado o papel do professor. E comprova a existência de ferramentas tecnológicas capazes de proporcionar um aprendizado de nível para todos, respeitados os diferentes estágios e ritmos de aprendizagem, a criatividade sempre presente na resolução dos problemas.
O livro tem quatro partes: Aprendendo a ensinar; O modelo falido; No mundo real; Um mundo, uma escola. Na primeira, Khan mostra como estimulou sobrinha, reprovada  numa prova de nivelamento de matemática. E que imaginou-se de mente insuficiente para aprendizagem da disciplina, fato que deixou o tio preocupado, pois ele ainda não possuía conhecimentos sobre como ensinar ultrapassar os obstáculos epistemológicos enraizados numa mente.
Na segunda parte, Khan questiona a tradição, afirmando que “normal é aquilo a que você está acostumado”. E analisa as inércias que vitimam o ensino, um “sempre fizemos assim” que não leva na devida conta as mutações que acontecem num mundo que se configura com conflitos entre o pós-moderno, o moderno, os ontens e os ante-ontens que persistem em não abandonar o palco da vida. Onde muitos docentes, mais doentes que docentes, não assimilaram reflexão de Platão, continda em A República: “O conhecimento adquirido por obrigação não se fixa na mente. Portanto, não use a obrigatoriedade, mas permita que a educação inicial seja uma espécie de diversão; isso facilitará a descoberta da inclinação natural da criança”. Ele ressalta que a razão principal da tecnologia é a de libertar o professor dos procedimentos mecânicos, favorecendo a ampliação dos contatos humanos.
Na parte terceira, Khan analisa a dicotomia teoria x prática, a primeira como se fosse plenamente rígida, a segunda como se não existisse teoria alguma embasadora. O que me fez recordar ensinamento de John Stuart Mill, economista clássico: “O despotismo do costume é, em toda parte, o obstáculo perene ao progresso humano”.  
A última parte provoca os que não estão pedagogicamente doentes. Mostra como a sala de aula tradicional é um dos locais mais solitários do mundo, o professor se transformando numa figura sem apoio, sem benefícios emocionais, obrigando-se “a arrastar os alunos em um ritmo estabelecido num sistema em que as avaliações são usadas para rotular as pessoas”. 
O mais é salário decente, paixão desmediocrizada e mobilizadora responsabilidade social. 

(Publicado no Jornal do Commercio, Recife, Pernambuco, 12.07.2013)  
Fernando Antônio Gonçalves
 

Site criado com o sistema Easysite Acadêmico da eCliente.
ECLIENTE INFORMÁTICA