facebook
Aumentar fonte  Diminuir fonte  Indicar esta página  Imprimir esta página
AMOR E CARIDADE
Há relatos que santificam vivências solidárias com os sofrimentos alheios. Lendo o livro As Vidas de Chico Xavier, Marcel Souto Maior, São Paulo, Leya, 2010, me deparei com a trajetória de uma enfermeira que deveria merecer referências honrosas nos Cursos de Enfermagem deste Brasil que tanto está a carecer de apoio aos mais necessitados, principalmente das classes mais abonadas.
 
O nome da heroína? Aparecida Conceição Ferreira, enfermeira técnica do Setor de Isolamento da Santa Casa de Misericórdia, Uberaba, Minas Gerais. Nascida em 19 de maio de 1915, em Igarapava, São Paulo, foi criada por um tio. Quando meninota, vendia doces, frutas e verduras para auxiliar nas despesas da casa. Em 1934, casou-se com Clarimundo Emídio Marques e principiou a criar a apanhar crianças de rua para criar. Um acidente com o marido obrigou-a a duplicar suas atividades, mudando-se para cidade mineira de Nova Ponte, onde exerceu atividade de magistério na zona rural, além de trabalhar como parteira. Posteriormente, já em Uberaba, exerceu atividade profissional de enfermagem na Santa Casa de Misericórdia, quando, a partir de 1957, principiou a tratar de pacientes portadores do Pênfigo Foliácio, chamada vulgarmente de Doença do Fogo Selvagem.
 
Rejeitados pela Santa Casa de Misericórdia, Aparecida saiu pelas ruas de Uberaba com os doentes que deixavam rastros de sangue por onde passavam, até encontrar um homem que se interessou pelo assunto e que a fez retornar com os enfermos ao hospital, determinando à diretoria que os eles permanecessem internados. O homem providencial era o Promotor de Justiça de Uberaba.
 
Magoada pelo tratamento recebido pela direção do hospital, Aparecida resolveu ir embora, sendo acompanhada pelos doentes que, impossibilitados de sair pela porta da frente, quebraram um pedaço do muro, indo o grupo alojar-se na própria residência de Aparecida, cujo marido e filhos encareceram-lhe uma tomada de decisão: ou eles ou os doentes. E os doentes foram os eleitos e ela foi auxiliada pelos vizinhos com colchões, cavaletes, tábuas, caixotes e tudo o mais que pudesse servir de camas. À tarde, estavam todos os doze devidamente agasalhados. Posteriormente, compreendendo a missão de Aparecida, marido e filhos retornaram ao lar, ajudando-a nos cuidados com os enfermos.
 
Dias depois de instalada, recebeu Aparecida a visita do diretor da Saúde Pública e do Assessor Municipal de Educação, que dependências do Asilo São Vicente de Paula. Disseram-lhe que poderia ali ficar por dez dias, até encontrar alojamentos mais convenientes. Ela permaneceu com seus doentes por dez anos! Em 1961 havia 363 enfermos, logo Aparecida percebendo que a situação se agravava e que o local estava inapropriado. Embarcou para São Paulo, onde, no Viaduto do Chá, pedia esmola para seus doentes, chamando a atenção da Segurança Pública. Foi presa por quatro dias, sendo libertada através de uma advogada voluntária chamada Dra. Izolda M. Dias, sua defensora no processo. Na ocasião, um repórter, Saulo Gomes, da TV Tupi, fez uma reportagem, filmando e mostrando a realidade dos enfermos. A reportagem resultou numa ampla campanha beneficente, com a participação de muitas cidades paulistas.
 
Quando a situação financeira apertava, Aparecida ia para São Paulo, onde contava com o apoio da comunidade espírita paulistana. Segundo ela própria, a população paulistana ajudou muitas vezes mais que a própria comunidade uberabense. E quando a alimentação tornava-se periclitante, Aparecida tomava um caminhão e percorria as fazendas de Uberaba, encarecendo e recebendo alimentos dos fazendeiros.
 
Certa feita, premida por mil e uma dificuldades, Aparecida resolveu pedir SOS a Chico Xavier, que havia se transferido de São Leopoldo para Uberaba. No dia seguinte, um auxiliar de Chico Xavier levaria dois conjuntos de roupa para cada doente, além de lençóis, fronhas, pijamas, toalhas de rosto e banho, além de vestidos e um par de sapatos para ela. E o que mais impressionou Aparecida foi o número do sapato enviado, 40, um exagero para mulheres de baixa estatura. Como teria Chico adivinhado o tamanho do seu sapato?
 
Na semana seguinte, foi o próprio Chico em pessoa que visitou sua residência, levando um envelope com 300 cruzeiros, quantia necessária para que ela pudesse saldar as dívidas pendentes e ainda reforçar a despensa.
 
Em 1961, o número de pacientes do pavilhão de São Vicente de Paula atingiu 363, tornando a área muito diminuta para tanta gente. Foi quando Aparecida encasquetou a ideia de construir um hospital. Deu 300 mil cruzeiros por um terreno oferecido por um amigo, coletas múltiplas feitas nas ruas, e quando se preparava para iniciar a construção, descobriu que tinha caído numa armadilha, posto que o terrena tinha sido adquirido de pessoa errada, os verdadeiros proprietários dispostos a processá-la por invasão de propriedade.
 
Negociado acordo com os proprietários, Aparecida partiu para São Paulo na busca de auxílios, levando apenas um cartão de apresentação do Chico Xavier para um jornalista já consagrado, Assis Chateaubriand, que pôs à sua disposição suas emissoras de rádio, proporcionando-lhe uma campanha que arrecadou 720 mil cruzeiros.
 
Visitando, na capital paulista, um Centro Espírita, Aparecida foi convidada compor a mesa de reunião, tendo o presidente da sessão solicitado a aplicação de um passe na presidente da Centro, vítima de uma paralisia repentina que a impedia de andar. Mesmo sem nada ter aprendido sobre o assunto, Aparecida rezou junto à enferma, que no dia seguinte já se levantava, caminhava com suas próprias pernas, tornando-se sua amiga, também companheira em várias campanhas beneficentes. A partir de então, Aparecida começou a aplicar passes curadores em seus doentes, beneficiando inúmeros com resultados surpreendentes.
 
Internada, em 2009, no Lar da Caridade, novo nome do Hospital do Pênfigo, Aparecida, com problemas cardiológicos, desencarnou na manhã de 22 de dezembro, com 95 anos, depois de mais de cinquenta anos de cuidados múltiplos com doentes e crianças.
 
Ao tomar conhecimento da desencarnação de Aparecida Conceição Ferreira, Divaldo Franco assim se manifestou: “Recebida com júbilos por verdadeira multidão capitaneada pelo irmão Chico Xavier, mais uma estrela retorna ao mundo espiritual, para iluminar a noite das almas errantes e sofredoras da Terra.”
 
Sobre a vida e obra de Aparecida Conceição Ferreira, a Dona Cida como era por muitos conhecida, um livro merece ser lido: “Uma Vida de Amor e Caridade”, Izabel Bueno, Editora Espírita Cristã Fonte Viva, Belo Horizonte, Minas Gerais.
 
(Publicado em 1°.05.2017 no site do Jornal da Besta Fubana e no site www.fernandogoncalves.pro.br)
Fernando Antônio Gonçalves
 
 

Site criado com o sistema Easysite Acadêmico da eCliente.
ECLIENTE INFORMÁTICA